O Grupo de Oração Sementes de Maria acontece todos as terça-feiras, as 19:30 com início do Santo Terço, na Capela Rosa Mística, Rua Paulina Maria Alves, 210, Loteamento, Pompéu/MG.

quarta-feira

O sentido da nossa beleza

A Palavra de Deus (Gn 1) narra a verdade fundamental do homem, criado à imagem e semelhança de Deus.

Saber que fomos criados por Deus em um desígnio único de amor nos distingui das outras espécies de criaturas; faz de cada um de nós únicos, dignos de todo o respeito e admiração. Porém, destruímos esta verdade quando reduzimos nossa beleza de criaturas a adjetivos como melancia, morango, pera, melão, tanquinho, sarado, etc. Todas estas definições são pobres diante da nossa essência, oriunda do Criador, que é o Belo por excelência. É semelhante a alguém que pode ganhar uma linda obra de arte, mas prefere ficar com o rascunho.


 
Somos chamados a viver a plenitude em Deus, assumindo que, se existimos é porque o Senhor nos criou, não por um desígnio qualquer, de uma coisa qualquer, mas Ele nos criou a partir de Sua própria natureza.
O certo é que não entendemos o mistério desta imagem e semelhança, pois, diante de tantos padrões de “beleza”, não conseguimos definir qual é a imagem de Deus nos homens; nos questionamos, inclusive, se os mais “belos” são os mais “abençoados”. Ora, beleza, no sentido estético, não possui correlação com imagem e semelhança de Deus.
Todos os homens são belos, pois são criados por Aquele que é belo por excelência: o Senhor. Sendo assim, tudo o que Ele faz é bom. Por consequência, somos belos, lindos, e podemos dizer: “Sou belo, pois o Senhor me criou assim”.
Destruímos esta verdade quando reduzimos nossa beleza a adjetivos como melancia, morango, pêra, tanquinho, sarado…
A beleza que nós infelizmente buscamos e colocamos como finalidade da nossa corporeidade tem sido fruto de um padrão cultural, não necessariamente decorrente da criação.
O sentido verdadeiro de ser imagem e semelhança do Senhor pode ser encontrado nas catequeses do Papa Beato João Paulo II no início de seu pontificado. Estas deram origem à chamada “Teologia do Corpo”.
Em uma destas catequeses ( de 6 de dezembro de 1978), o Santo Padre nos ensinou que, na narrativa da criação do homem, Deus manifesta o desejo de colocar o homem em evidência diante das outras criaturas. É como se o Criador entrasse em Si mesmo e, de modo particular, tirasse o homem do mistério do Seu próprio ser, ou seja, da Sua imagem.
Sendo assim, a imagem deve “espelhar”, quase reproduzir “a substância” do seu Protótipo. O Criador diz também: à nossa semelhança. É óbvio que não se deve entender como um “retrato”, mas como ser vivo, que viva uma vida semelhante à d’Ele. A definição do homem “imagem de Deus” evidencia aquilo que faz com que este homem seja “um ser distinto de todas as outras criaturas do mundo visível”, afirmou o Santo Padre.
Portanto, somos chamados à existência por um ato de amor do Senhor. Assim, belos desde origem, uma vez que ser imagem e semelhança é participar da vontade de Deus e comunicá-la aos homens, pois “Deus, vendo toda a sua obra, considerou-a muito boa” (Gn 1, 31). Devemos assumir a iniciativa do Senhor em nos criar à sua imagem e semelhança, assumindo que somos belos, porque o Senhor nos fez assim!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como praticar a devoção dos Cinco Primeiros Sábados dedicados à Virgem Maria?

"Deus quer estabelecer no mundo a devoção a meu Imaculado Coração"    Na terceira aparição, em Fátima, a 13/7/191...