O Grupo de Oração Sementes de Maria acontece todos as terça-feiras, as 19:30 com início do Santo Terço, na Capela Rosa Mística, Rua Paulina Maria Alves, 210, Loteamento, Pompéu/MG.

quarta-feira

QUARTA FEIRA 30 DE NOVEMBRO DE 2011

Evangelho (Mateus 4,18-22)

Santo André, apóstolo


— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo,
18quando Jesus andava à beira do mar da Galileia, viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André. Estavam lançando a rede ao mar, pois eram pescadores. 19Jesus disse a eles: “Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens”. 20Eles imediatamente deixaram as redes e o seguiram. 21Caminhando um pouco mais, Jesus viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João. Estavam na barca com seu pai Zebedeu, consertando as redes. Jesus os chamou. 22Eles imediatamente deixaram a barca e o pai, e o seguiram.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

QUARTA FEIRA 30 DE NOVEMBRO DE 2011

Salmo (Salmos 18) 




— Seu som ressoa e se espalha em toda a terra. — Seu som ressoa e se espalha em toda a terra.

— Os céus proclamam a glória do Senhor, e o firmamento a obra de suas mãos; o dia ao dia transmite esta mensagem, a noite à noite publica esta notícia.

— Não são discursos nem frases ou palavras, nem são vozes que possam ser ouvidas; seu som ressoa e se espalha em toda a terra, chega aos confins do universo a sua voz.

QUARTA FEIRA 30 DE NOVEMBRO DE 2011

Seja forte diante dessa grande luta 


Assim como o café com leite, misturados, já não são mais nem leite nem café, o que teremos em breve será “céus novos e uma terra nova”. O céu será diferente porque estará misturado com a terra. A terra será muito diferente, porque estará misturada com o céu. O humano será diferente, porque estará misturado com o divino. E o divino também será diferente, porque estará misturado com o humano.

Como acontece na Pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo: Ele é Deus e homem ao mesmo tempo, sem deixar de ser homem e sem deixar de ser Deus. Teremos uma terra nova, porque divinizada, e céus novos, porque humanizados.
Mas até essa realidade chegar, a luta será grande. Quando vier o Reino de Deus, o inimigo de Deus será vencido. Ele sabe que pouco tempo lhe resta:

"Ai de vós, terra e mar, pois o diabo desceu para junto de vós, cheio de grande furor, sabendo que lhe resta pouco tempo"
(Ap 12,12b).

Estamos sofrendo por causa disso. Mas o Senhor nos diz para sermos fortes e não temermos.


Deus o abençoe!

QUARTA FEIRA 30 DE NOVEMBRO DE 2011

Creia: sua necessidade está sob os olhos do Senhor

 


Jesus nos diz: “O meu pai agora está trabalhando, e eu também estou trabalhando” (Jo 5,17)

Amados irmãos, Deus não está dormindo. Ele trabalha sempre e está em constante atividade. Ele vê e acompanha os nossos sofrimentos; nos ama e trabalha por nossa causa. Creia: sua necessidade está sob os olhos do Senhor. Nosso Pai e Jesus não cessam de trabalhar por nós.

Exponha-se diante d’Ele. Seja sua causa pessoal ou familiar, seja sua doença física ou espiritual, apresente-se agora para o Senhor. Nada pode impedir a ação de Deus em sua vida. Nada pode roubar sua alegria de ter alguém constantemente trabalhando por sua causa: Deus Pai e Nosso Senhor Jesus Cristo. Eles não terão descanso enquanto não nos derem o Reino dos Céus. Deus é por nós. Somos d’Ele e, por isso, sabemos que:

“Tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu desígnio” (Rm 8,28)

Como num dia inteiro de trabalho, o Senhor age em nosso meio salvando nossas vidas, curando nossos corações, sarando nossos doentes, libertando nossos oprimidos e arrancando da opressão do maligno aqueles que se encontram nas trevas. Se abrirmos o coração e O deixarmos trabalhar em nosso interior veremos já aqui, nesta vida, os prodígios do Senhor.

Que o Todo-poderoso nos liberte de toda incredulidade e ação do mal que quer abalar nossa fé!


Jesus, eu confio em Vós!

QUARTA FEIRA 30 DE NOVEMBRO DE 2011

Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens

 

No dia 30 de novembro a Igreja celebra, com muita alegria, o dia de Santo André, apóstolo de Cristo. Esse santo era irmão de Pedro e antes de ser um dos 12 escolhidos por Cristo foi seguidor de João Batista.

O nome André tem como significado "hombridade" ou "coragem", e foi isso que o apóstolo sempre demonstrou em sua vida totalmente entregue ao Evangelho e ao chamado de Jesus.

Muitos Evangelhos, como o de Mateus 4,18-20 e o de Marcos 1, 16-18, são bem claros quando explicam o momento em que Jesus chamou Santo André e São Pedro: “Estavam jogando as redes ao mar, pois eram pescadores. Jesus disse-lhes: “Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens”. Eles, imediatamente, deixaram as redes e o seguiram”.

Imediatamente seguiram o Mestre, é isso o que diz o Evangelho. André nunca teve dúvidas quando Jesus o chamou, o seu "sim" foi para sempre. A coragem e o desejo de servir a Cristo foram maiores do que seus projetos, sonhos e a escolha de sua profissão de pescador.

E Deus foi fiel ao "sim" de André, muito mais do que peixes que ele pescava, o Altíssimo concedeu-lhe a missão de pescar almas, de resgatar os que estavam perdidos e foi assim que esse discípulo de Cristo gastou toda sua vida, salvando e pescando pessoas para o céu.

O que podemos aprender com o testemunho desse santo da Igreja?

Deus quer de nós coragem, o desejo do Senhor é que possamos dar o nosso "sim" ao Seu chamado, ao Seu projeto, à Sua vontade. Sem medo, porque o Todo-poderoso é fiel ao que promete. Se somos chamados é porque Jesus acredita em nosso potencial e muito mais que isso: Ele não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos.

André teve essa experiência de ser capacitado todos os dias quando deu o primeiro passo seguindo Cristo. A partir de sua escolha, Deus tornou-o um grande discípulo e principalmente fez dele um pescador de homens como havia prometido. Da mesma forma, precisamos dar o primeiro passo rumo à vontade de Deus Pai, isso é necessário, é preciso.

Neste dia tão especial, peçamos a Deus que nos dê a coragem de Santo André, e que esse santo da Igreja interceda ao Pai para que também possamos dar o nosso "sim" ao chamado d'Ele.

Santo André, rogai por nós!

terça-feira

Evangelho (Lucas 10,21-24)

1ª Semana do Advento




— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

21
Naquele momento Jesus exultou no Espírito Santo e disse: “Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas aos sábios e inteligentes, e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. 22Tudo me foi entregue pelo meu Pai. Ninguém conhece quem é o Filho, a não ser o Pai; e ninguém conhece quem é o Pai, a não ser o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar”. 23Jesus voltou-se para os discípulos e disse-lhes em particular: “Felizes os olhos que vêem o que vós vedes! 24Pois eu vos digo que muitos profetas e reis quiseram ver o que estais vendo, e não puderam ver; quiseram ouvir o que estais ouvindo, e não puderam ouvir”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

segunda-feira

Evangelho (Mateus 8,5-11)

Segunda-Feira, 28 de Novembro de 2011
1ª Semana do Advento

— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo,
5quando Jesus entrou em Carfanaum, um oficial romano aproximou-se dele, suplicando: 6“Senhor, o meu empregado está de cama, lá em casa, sofrendo terrivelmente com uma paralisia”. 7Jesus respondeu: “Vou curá-lo”. 8O oficial disse: “Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa. Dize uma só palavra e o meu empregado ficará curado. 9Pois eu também sou subordinado e tenho soldados sob minhas ordens. E digo a um: ‘Vai!, e ele vai; e a outro: ‘Vem!, e ele vem; e digo a meu escravo: ‘Faze isto!, e ele o faz”. 10Quando ouviu isso, Jesus ficou admirado, e disse aos que o seguiam: “Em verdade, vos digo: nunca encontrei em Israel alguém que tivesse tanta fé. 11Eu vos digo: muitos virão do Oriente e do Ocidente, e se sentarão à mesa no Reino dos Céus, junto com Abraão, Isaac e Jacó”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Salmo (Salmos 121)

Segunda-Feira, 28 de Novembro de 2011
1ª Semana do Advento


— Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!” — Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!”

— Que alegria, quando ouvi que me disseram: “Vamos à casa do Senhor!” E agora nossos pés já se detêm, Jerusalém, em tuas portas.

— Jerusalém, cidade bem edificada num conjunto harmonioso; para lá sobem as tribos de Israel, as tribos do Senhor.
— Para louvar, segundo a lei de Israel, o nome do Senhor. A sede da justiça lá está e o trono de Davi.
— Rogai que viva em paz Jerusalém, e em segurança os que te amam! Que a paz habite dentro dos teus muros, tranquilidade em teus palácios!
— Por amor a meus irmãos e meus amigos, peço: “A paz esteja em ti!” Pelo amor que tenho à casa do Senhor, eu te desejo todo bem!

Os perigos da meia conversão

A MAIORIA MUDA PENSANDO EM SI E SAI PENSANDO EM SI

Falemos dos convertidos para alguma fé. Uma coisa é seguir em frente na mesma fé herdada dos pais e assumida pessoalmente e outra optar por outro púlpito, outros pregadores, outras maneiras de orar, outra forma de ver a ação de Deus na pessoa e na comunidade.

De repente, alguém ferido no corpo e na alma encanta-se com as notícias de que, em determinados templos, existem curas e palavras de conforto. Não vai lá pelos dogmas e sim pela cura e pelo conforto. Em questão de fé, o sentir pesa muito mais do que o intuir ou o entender.
Na verdade, o convertido pensa em si, depois em Deus, Ele quer respostas que alguém lhe oferece em nome do Senhor e são aquelas respostas prometidas que levam um convertido ao novo templo. Ele queria e por enquanto achou um lugar e um ambiente que favoreça a prática de sua fé. Se vier a decepção sempre haverá outros templos e outras igrejas… Muda-se!
Quando o culto e as pregações da igreja na qual foi batizado não satisfazem e o entusiasmo e as pregações da outra igreja trazem respostas tipo: "Deus é", "Deus quis", "Deus quer", "Você foi escolhido", ele se identifica. "É a palavra que eu andava procurando…". Paulo toca no assunto quando escreve a Timóteo sobre os que procurariam outros mestres que diriam ou desejariam ter ouvido. (cf. Tm 4,-1-5). Sentir-se escolhido e eleito é outra coisa do que ser um no meio de bilhões. Esta singularização já levou muitas pessoas da grande para as pequenas comunidades onde são mais notadas e acolhidas.
O gigantismo nem sempre ajuda uma igreja. Não há ministros para cuidar de tanta gente. Equivale ao hipermercado com mais de 100 mil visitas diárias e número insuficiente de funcionários. A pessoa procura melhor atendimento. Isso tem acontecido com a Igreja católica, além de outras diferenças que levaram muitos fiéis a procurar igrejas menores onde se sentem menos número. Não é o dogma que as leva para lá. É a atenção e são as promessas e garantias de resultado que todos os dias são mostrados lá na frente ou na televisão. Vão para os templos onde a graça acontece e é mostrada.
Os católicos fazem o mesmo quando vão a lugares de peregrinações ou movimentos onde se sentem singularizados. “Você” e “Deus” e “Jesus” são as três palavras mais usadas por estes pregadores. Corresponde ao que estes fiéis queriam ouvir.
Convertem-se porque querem o melhor para si. Depois é que começam a querer o louvor de Deus e o melhor para os outros. Mas quando vem a dificuldade e este fiel que mudou de fé percebe que não aconteceu o melhor, a doença voltou, os problemas voltaram, a filha não mudou, o marido não mudou, ou voltam, vão procurar o mais novo pregador e a mais nova igreja que apareceu na televisão. É para lá que fazem romaria. Há um novo pregador bombando na mídia. E vão ouvi-lo porque sua religião é altamente personalizada da mesma forma que é sua fé. Mudam também o enfoque a partir do pregador em evidência. Se ontem era Jesus, depois era o Espírito Santo, agora é o Pai. Se ontem era a graça Universal, agora é o Poder Mundial. Se ontem era o “não sofra mais”, agora é o “não espere mais”. Decida!
Os nosso tempos, à mercê da cultura do indivíduo soberano, geraram milhões de migrantes da fé. Mudam com enorme facilidade e sem nenhum drama de consciência de um templo para o outro e de um caminho para o outro. E ouvem os pregadores a dizer que se não estão confortáveis num caminho devem buscar sua realização no outro porque Deus criou muitos caminhos para que o indivíduo exerça sua liberdade de escolha. Na maioria das vezes é o jeito de o pregador justificar por que ele mesmo mudou duas ou três vezes, trocou de igreja ou de grupo de espiritualidade e até fundou a própria, sempre dizendo que Deus queria a mais nova igreja.
“Você não está feliz onde está? Venha conosco!” É o que se ouve nesses púlpitos. Mas não há muita lógica, porque nunca se ouve dos mesmos pregadores: “Você não é está feliz conosco? Procure outra igreja”. Aí, não! Vir, pode, ir embora é abandonar o caminho certo! O marketing chega a ser deslavadamente cruel. “Deixar a outra igreja pode, deixar a nossa, nunca!”
Não se ensina que não há igreja nem religião perfeita, nem estradas perfeitas. Uma pode ser melhor do que a outra, mas sempre haverá buracos, empecilhos, barreiras. Aí depende muito do individuo ser capaz de se perdoar e perdoar a sua igreja que segundo sua avaliação errou para com ele não lhe dando o conforto que ele esperava. Perdoará a mais nova igreja quando ela também falhar? E ele, por acaso, não precisa pedir perdão à sua antiga e agora à sua nova igreja? As igrejas são pecadoras, mas o sujeito que muda de opção, quando as coisas não saem do seu jeito, não o é?
Contornar barreiras e seguir aquele caminho ou, decepcionado, voltar atrás porque não achou o que queria é o grande drama da conversão! Se foi opção verdadeira o convertido pensará nos outros e fará todos os sacrifícios possíveis para prosseguir no caminho de sempre. Se não foi opção pelos outros e sim por si mesmo, ele mudará e irá lá onde de um jeito ou de outros era protagonista e fará o que sempre sonhou fazer.
Mas no novo caminho, ao primeiro grande conflito, se converterá de novo. Ou deixara de praticar ou mudará outra vez e achará algum culpado pelo seu novo desânimo. Evidentemente. O problema nunca será ele. Mudou porque os outros não o acolheram ou respeitaram…
O perigo da meia conversão existe, como também existe o perigo da meia vocação, da meia promessa e do meio casamento. Todos eles se assemelham à meia virgindade. A história de todas as religiões coincide nesse aspecto. Os que ficam e perdoam sua igreja e os que se cansam dela e buscam outra que lhe fale mais ao coração. Os dogmas aparecem depois. As dúvidas contra sua própria igreja são alimentadas pelo pregador que deseja mais alguém em suas fileiras, sempre cuidadoso a não mostrar os podres da sua igreja. Lá tudo é graça, tudo é força, tudo é luz porque um novo tempo exige uma nova igreja! O marketing é bonito, mas nem sempre honesto!
A maioria muda pensando em si e sai pensando em si. Não havendo nem alteridade nem altruísmo, não haverá ascese, e não havendo ascese, foi apena meia conversão! Se o ego do fiel for outra vez desafiado ele não hesitará em mudar. Sua individualidade está acima de qualquer religião ou fé. Releia a segunda Carta de Paulo a Timóteo, 4,1-5. Já naquele tempo a alteridade andava em baixa!…

Pe. José Fernandes de Oliveira - Pe. Zezinho, scj
Escritor, compositor e cantor. Congregação Dehonianos

A Santa Missa é um grande tesouro


Na Missa, Jesus vem e nos fecunda com a Sua redenção. As pessoas que apresentamos a Ele, os problemas e as situações que vivemos, tudo isso é assumido por Cristo no Seu sacrifício redentor. Para isso é preciso que nós católicos entendamos o valor da Santa Missa.

O inimigo de Deus tem consciência da importância da Santa Missa, por isso, faz questão de obscurecer o nosso entendimento. Ele trabalha a nossa mente para não darmos a devida importância a ela. Distrai-nos com tudo o que está acontecendo à nossa volta no momento da Celebração Eucarística, como as músicas, os instrumentos e as palmas. Passamos a ficar preocupados com a procissão de entrada e do ofertório, com os que vão fazer as leituras e a coleta. E assim, ocupados e distraídos com tantas coisas, ficamos alheios ao sacrifício da Cruz, a grande realidade invisível naquele momento.


Não podemos nos deixar enganar! Precisamos ter uma liturgia bem preparada, com procissões, leituras, músicas, mas tudo deve estar centrado na renovação do sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo, o sacrifício do calvário.
Quando descobrirmos o valor da intercessão de Jesus na Santa Missa, encontraremos um grande tesouro.

domingo

Evangelho (Marcos 13,33-37)

Domingo, 27 de Novembro de 2011
1º Domingo do Advento


— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
33Cuidado! Ficai atentos, porque não sabeis quando chegará o momento. 34É como um homem que, ao partir para o estrangeiro, deixou sua casa sob a responsabilidade de seus empregados, distribuindo a cada um sua tarefa. E mandou o porteiro ficar vigiando.
35
Vigiai, portanto, porque não sabeis quando o dono da casa vem: à tarde, à meia-noite, de madrugada ou ao amanhecer. 36Para que não suceda que, vindo de repente, ele vos encontre dormindo.
37
O que vos digo, digo a todos: Vigiai!”



- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor.

Salmo (Salmos 79)

 
— Iluminai a vossa face sobre nós,/ convertei-nos, para que sejamos salvos!
— Iluminai a vossa face sobre nós,/ convertei-nos, para que sejamos salvos!

— Ó Pastor de Israel, prestai ouvidos./ Vós, que sobre os querubins vos assentais,/ aparecei cheio de glória e esplendor!/ Despertai vosso poder, ó nosso Deus,/ e vinde logo nos trazer a salvação!
— Voltai-vos para nós, Deus do universo!/ Olhai dos altos céus e observai./ Visitai a vossa vinha e protegei-a!/ Foi a vossa mão direita que a plantou;/ protegei-a, e ao rebento que firmastes!
— Pousai a mão por sobre o vosso protegido,/ o filho do homem que escolhestes para vós!/ E nunca mais vos deixaremos, Senhor Deus!/ Dai-nos vida, e louvaremos vosso nome!

Seguidores e admiradores de Cristo


Seguir a Cristo é penetrar no caminho do amor
 
 

Qual é a importância dos santos? Eles são nossos intercessores diante do trono de Deus. Mas também e, em primeiro lugar, eles são os grandes modelos para nossa vida. Querem ser nossos guias no caminho para Deus Pai. Agora, de onde os santos tiram a força para viver sua vida de maneira exemplar? Qual é o mistério de sua vida?

O mistério de sua vida chama-se Jesus Cristo. O mistério de sua vida é: seguir a Cristo por todos Seus caminhos. Desde que foram chamados pelo Senhor O seguiram generosa e fielmente, cumprindo sua missão. Muitos, inclusive, foram a países distantes e desconhecidos para anunciar a mensagem de seu Mestre. Seguir a Cristo é e deve ser o mistério de vida de cada cristão, também de cada um de nós. Porque toda a predicação de Jesus é um convite para segui-Lo, e está dirigida - como sabemos - a cada ser humano. Também nós, em nosso batismo, fomos chamados, pela primeira vez, a imitar Cristo. E desde então, Deus repetiu e renovou esse convite muitas vezes e de muitas maneiras. Também hoje em dia Deus volta a nos chamar de diversas maneiras.

Podemos distinguir duas classes de cristãos: os seguidores e os admiradores de Cristo. O admirador não compromete sua pessoa: admira, olha de fora e não se esforça em ser como o que admira. O seguidor, ao contrário, é ou procura ser o que admira.

Jesus mesmo insiste sempre em que é necessário segui-Lo. Jamais diz que busca admiradores. Deixa bem claro que os Seus devem segui-Lo em sua vida e não só aceitar a doutrina d'Ele. Porque uma fé que não se traduz em vida, não vale nada nem consegue nos proteger da perdição eterna.

Como podemos seguir Jesus? A condição fundamental para a imitação do Senhor é o encontro pessoal com Ele. Para poder e querer segui-Lo temos de conhecê-Lo, olhando Sua vida e escutando Seus ensinamentos. Se não O conhecemos, se não sabemos nada de Sua generosidade, nem de Sua entrega desinteressada, nem de Seu amor desbordante para conosco, nunca vamos ter vontade de segui-Lo verdadeiramente.

Não temos a sorte dos apóstolos de ter nascido em tempos de Jesus. Entretanto existem muitos caminhos, muitos lugares de encontro com Cristo se O buscamos sinceramente. Ali está, por exemplo, na Eucaristia que celebramos juntos. No Evangelho, Jesus fala pessoalmente a cada um de nós. E na comunhão, Ele mesmo nos convida a comer Seu Corpo e tomar Seu Sangue, entrando assim na mais profunda comunhão com Ele.

Seguir Cristo é penetrar no caminho do amor. Mas quem começa a amar, começa a sofrer. E Jesus nunca ocultou que O seguir é duro. Não oferece segurança, mas sim risco. Não nos oferece caminhos de triunfo, mas sim o "fracasso" da cruz, porque quem O segue, aceita também a sorte de Seu Mestre: o sofrimento e a cruz.

Na vida de nossos santos tampouco faltou dor e sofrimento. Aceitaram-nos por amor a Cristo. E seguiram a seu Mestre até a última entrega: coroaram sua vida pelo martírio.

Seguir Cristo inclui sofrimento e cruz, mas também nos enche de uma alegria profunda e uma paz permanente. E no fim do caminho nos espera, em comunhão com todos os santos, a felicidade de Cristo para sempre. Padre Nicolás Schwizer

Movimento apostólico Shoenstatt

No mundo atual ainda se reza?

  A oração não é mais atividade necessária

As preocupações do homem moderno parece que se deslocaram. Seu comportamento é de quem assumiu com as próprias mãos o destino de seus dias. Os humanos não contam mais com auxílio externo para ter sucesso nos seus negócios. Os seus planos, a sua inteligência, e a sua capacidade de trabalho são a chave da vitória de seus empreendimentos. A atual crise econômica mundial, no entanto, vem desmentir essas soberanas convicções.

O que acontece é que a grande motivação cristã da felicidade, na eternidade, foi puxada para baixo. As promessas de plenitude do nosso ser aterrissaram. Tudo o que de belo a fé nos garantia, virou paraíso terrestre.

O comunismo – que tinha alguns ideais muito interessantes - pecou por essa razão: seu olhar se baixou para o horizonte exclusivo desta vida. Por isso, nos dias atuais, a população quer cuidar do corpo, porque pretende viver sempre, precisa estudar sem parar para estar em condições de competir com qualquer contendor. O corpo deve ficar cada vez mais belo e perfeito; sente-se a necessidade de enriquecer para ter todo conforto possível; deve aprender a evitar conflitos desnecessários com o semelhante, pois a caminhada vai ser longa; a religião é proposta como garantia de prosperidade...neste mundo. Então, “comei, bebei, inebriai-vos” (Ct 5, 1). A oração toma contornos surreais; não é mais uma atividade necessária.

No entanto, o vazio da vida, que teima em nos incomodar, só o deixamos de sentir em comunicação com nosso Deus e amigo. "Por ti, ó Deus, suspira a minha alma" (Sl 42,1). Sem referência ao Eterno somos pássaros de uma asa só.

Jesus, o orante por excelência, nos mostrou que a atitude de busca pelo Pai se deve expressar no louvor, na humilde adoração, na gratidão. "Oferecei a Deus sacrifícios de louvor” (Am 4,5). É certo que, nós como seus filhos, temos direito de pedir resultados para os nossos trabalhos. Mas Jesus selecionou – como forte sugestão – quais os pedidos, aos quais devemos dar preferência: que venha o Reino, que tenhamos o Espírito Santo e que se faça a vontade do Pai Criador.
Nada impede aos filhos acrescentar outras petições. O importante é nos aproximarmos desse Ser Amoroso, de cuja amizade depende a nossa realização.
 

Dom Aloísio R. Oppermann sc j - Arcebispo de Uberaba

sábado

Evangelho (Lucas 21,34-36)

Sábado, 26 de Novembro de 2011
34ª Semana Comum


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 34“Tomai cuidado para que vossos corações não fiquem insensíveis por causa da gula, da embriaguez e das preocupações da vida, e esse dia não caia de repente sobre vós; 35pois esse dia cairá como uma armadilha sobre todos os habitantes de toda a terra.
36 Portanto, ficai atentos e orai a todo momento, a fim de terdes força para escapar a tudo o que deve acontecer e para ficardes de pé diante do Filho do Homem”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

SENHORIO DE JESUS


"E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes,para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor." (FILIPENSES 2, 8-11)

Senhor é aquele que é proprietario, exerce poder sobre alguma coisa, é dono de algo.
O Senhor é o nosso único Senhor, Ele tem total autoridade sobre nós.
Foi Jesus que calou o mar, teve poder para curar os cegos, curar os leprosos, é Jesus que tem o poder sobre todas as coisas, pois foi lhe dada autoridade por Deus.

Quem está nos dominando na maioria das vezes, não é o Senhor!!! É a nossa carne, sexualidade desregrada, pensamentos que levam a pornografia. Não podemos deixar estes senhores nos dominar!!! Precisamos mudar de vida e deixar que Jesus seja o único Senhor de nossa vida!!!
No trono de nossa vida, quem deve estar no centro é Jesus , o Senhor!

Quem está te dominando???
É Jesus, ou seus vícios?

É tempo de mudar. Nao se prenda aos erros do passado... Volta pra casa do Pai.

Quantos católicos que se dizem católicos de missa, entregam seus filhos nas mãos de benzedeiras, nas mãos de espíritas, médiuns, na mão de preto velho, pomba gira....
Pessoas que vão atrás de cirurgias mediunicas, invés de colocar sua saúde nas mãos de Jesus, isto é evocação dos mortos, é abominado por Deus!!!Precisamos mudar de vida.
Demônio algum pode dar a paz a vc, só Jesus!!!

"Porém o que diz a escritura? A palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração; isto é, a palavra da fé que pregamos. Se, com a tua boca, confessares a Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Porque com o coração se crê para justiça, e com a boca se confessa a respeito da salvação" (Romanos 10:8-10)

Então, falando praticamente, o que afinal é envolvido em confessar Jesus como Senhor? Bem, obviamente a primeira coisa envolvida é falar de nossa aceitação de seu senhorio. Nosso texto de Romanos diz, "Se, com tua boca, confessares Jesus como Senhor..." (10:9). Mas isso não termina aqui. Somente começa aqui. Jesus, de fato, nem mesmo quer que façamos tal confissão se não estivermos querendo agir sobre ela. Ele não quer que o chamemos "Senhor" e "Mestre" se não queremos comprometer-nos a fazer as coisas que ele diz. Ele disse, "Por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que vos mando?" (Lucas 6:46).

"Desde esse tempo, começou Jesus Cristo a mostrar a seus discípulos que lhe era necessário seguir para Jerusalém e sofrer muitas coisas dos anciãos, dos principais sacerdotes e dos escribas, ser morto e ressuscitado no terceiro dia. E Pedro, chamando-o à parte, começou a reprová-lo, dizendo: Tem compaixão de ti, Senhor; isso de modo algum te acontecerá. Mas Jesus, voltando-se, disse a Pedro: Arreda! Satanás; Tu és para mim pedra de tropeço, porque não cogitas das cousas de Deus, e sim das dos homens. Então, disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Porquanto, quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa achá-la-á. Pois que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou que dará o homem em troca da sua alma?" (Mateus 16:21-26).

Jesus fez uma afirmação que Pedro não gostou de ouvir. Pedro disse "Não!" Mas "não" é algo que ninguém diz ao Senhor. Aceitar o senhorio de Jesus envolve dizer "sim" a tudo o que ele diz. Envolve negação de interesses próprios, incluindo algumas vezes entregar a própria vida. Mas também envolve encontrar a vida, isto é, a vida eterna. Há lucro eterno em aceitar Jesus como Senhor e Cristo.

A paz esteja com todos














Tarcizio Parreiras

(coordenador grupo de oração Sementes de Maria)

O que preciso fazer para ser batizado no Espírito Santo?


A grande provisão de Deus para os nossos tempos é o Espírito Santo. Quando um soldado é enviado em missão, ele vai com uma provisão. Ou seja: seu comandante lhe dá armas, alimentos, remédios e roupas de que precisará para aquela missão. Nenhum comandante enviará um soldado sem lhe dar o abastecimento necessário.

Mesmo em casa, quando um filho vai a um passeio, a mãe prepara o seu lanche, as roupas e tudo que for necessário para aquele dia. É a provisão para aquela viagem. Da mesma maneira, para enfrentar esses tempos que estamos vivendo, para enfrentar essa época em que Jesus se aproxima a passos largos, precisamos do Espírito Santo. Necessitamos da efusão do Espírito Santo, precisamos da promessa de Jesus:
"[...] Vós, porém, dentro de poucos dias sereis batizados com o Espírito Santo" (At 1,5b).

Você se pergunta: “O que preciso fazer para ser batizado no Espírito Santo?”. É tão simples quanto beber um gole de água.
Todavia, ninguém pode fazê-lo por você, é preciso que você queira e que dê o passo. Se mantiver a água na boca, sem se abrir para recebê-la, ninguém poderá fazer isso por você.

Deus deu-me a graça de receber o Espírito Santo porque, embora nada entendesse, do fundo do meu coração eu queria. Eu tinha sede. Não sabia que era a graça do Espírito Santo que me faltava, mas quis aquele “algo a mais”. Por isso pedi continuamente, pois tinha sede, e Deus veio em meu auxílio e concedeu-me a graça. É preciso que você também tenha sede, que queira essa graça de verdade. Não basta um querer superficial: é preciso querer, buscar e pedir. Repito: você precisa querer! Precisa buscar! Ninguém poderá fazê-lo por você. Você precisa pedir, pois a iniciativa é sua.

sexta-feira

Evangelho (Lucas 21,29-33)

34ª Semana Comum


— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo,
29Jesus contou-lhes uma parábola: “Olhai a figueira e todas as árvores. 30Quando vedes que elas estão dando brotos, logo sabeis que o verão está perto. 31Vós também, quando virdes acontecer essas coisas, ficai sabendo que o Reino de Deus está perto. 32Em verdade, eu vos digo: tudo isso vai acontecer antes que passe esta geração. 33O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Qual a melhor forma de ser feliz?



A melhor e mais linda forma de ser feliz é fazendo alguém feliz! Simples, não é?

Pois é! O mundo roda exatamente contra essa maré, ensinando-nos que felicidade é conquista pessoal, resultado de decisões acertadas sobre a própria vida. E há quem diga que vale tudo quando o assunto é felicidade...

Grande equívoco! Você pode fazer a experiência. É impossível que alguém a encontre voltando-se para si mesmo! É preciso, portanto, experimentar a felicidade que sentimos ao fazer alguém feliz.

Se seus planos centram-se somente em você mesmo, desista! Saia de si, promova a felicidade de alguém. É isso que dá sentido à vida.

Ricardo Sá 

O valor maravilhoso da Eucaristia


O Papa João Paulo II, em um discurso aos jovens, disse a seguinte frase: "Ir à Missa quer dizer ir ao Calvário, para nos encontrarmos com Ele, o nosso Redentor".

Por causa da diferença de fuso horário entre os países, sempre há Missas sendo celebradas ao longo do dia em alguma parte do mundo. Pela graça de Deus, a Eucaristia nunca deixa de ser celebrada. Realiza-se aqui na terra, oculto na pobreza do pão e vinho, aquilo que Jesus realiza no Céu.


Daí o valor maravilhoso da Eucaristia!
Toda a nossa intercessão se une ao sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo! Parte do sacrifício da Santa Missa e se abre em horizontes cada vez maiores para as nossas necessidades, para as nossas comunidades, paróquias, dioceses. Ela atinge todo o mundo, toda a Igreja e toda a humanidade.

É sempre bom lembrar que não são apenas nossos cantos, nossos instrumentos, nossas procissões que dão valor à Celebração Eucarística. Sem dúvida, isso nos ajuda a entrar no seu mistério, mas o que dá valor a essa celebração é a Eucaristia: é a renovação incruenta, isto é, sem derramamento de Sangue, do único sacrifício redentor, acontecido no Calvário naquela tarde de sexta-feira.


Deus o abençoe!


Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

A teologia da medalha milagrosa

o amor imenso do salvador e de sua mãe por todos os remidos

Em 1830, no dia 27 de novembro, deu-se a aparição de Maria a Santa Catarina Labouré, da Congregação das Filhas da Caridade, à Rue du Bac 140 em Paris. Nessa ocasião a Mãe de Jesus mostrou o modelo da medalha que ela desejava fosse cunhada como sinal de grandes graças que ela obteria junto de seu divino Filho.
Esta Medalha traz inúmeras mensagens e a primeira delas é atinente a Imaculada Conceição de Maria, dogma que seria proclamado dia 8 de dezembro de 1854, por Pio IX, na Bula Ineffabilis Deus. As mãos abertas da Medianeira de todas as graças é outra grande lição. É o resumo do papel da Virgem Maria na história da salvação, no Evangelho. Adite-se a cruz de Cristo nela, sacrificado pelos homens e Maria exemplo de fé ao pé da cruz, representada pelo M de seu nome.

O coração de Jesus e de Maria a atestar o amor imenso do Salvador e de Sua Mãe por todos os remidos. As doze estrelas lembrando a mulher do Apocalipse (cf. Ap 12,1). Ela é aquela que deu nascimento ao corpo humano de Cristo e à Igreja, que dá nascimento aos batizados que formam o Corpo Místico de Jesus. Como as 12 estrelas lembram também as 12 tribos de Israel e os doze apóstolos, a medalha milagrosa tem um aspecto também profundamente missionário. Adite-se que no século XIX imperava por toda parte a negação de Deus com o endeusamento da Ciência, que pretendia responder a todas as questões religiosas e filosóficas.


A literatura da época estava impregnada de ateísmo, levando as mentes ao irracional e ao fantástico. Além disso, quando, em 1830, ia se instalar um regime político antirreligioso, desenvolvendo uma forma de capitalismo liberal particularmente materialista, a Virgem então propõe não um objeto científico, mas um objeto simples, uma medalha a falar das realidades celestes. A difusão dessa peça se dá no momento também de uma renovação do Catolicismo social com Frederico Ozanam e as Conferências de São Vicente de Paulo.

Ocorria uma vitalidade da reflexão universitária e literária católica. Tudo isso era reforçado com a medalha que mostrava a intervenção de Deus na história não só da França, mas de todo o mundo.

O Arcebispo de Paris, a quem Catarina Labouré levou o pedido de Nossa Senhora para que se cunhassem as medalhas, percebeu a riqueza doutrinária que ela continha. Em 1832 houve a primeira distribuição dessas peças por ocasião da epidemia da cólera que dizimava a capital francesa. As primeiras 20 mil medalhas foram confeccionadas em 1830, ano em que esta epidemia, vinda da Rússia através da Polônia, irrompeu em Paris a 26 de março, ceifando vidas, num imenso cântico fúnebre. Num só dia houve 861 mortes.

No total foram registradas oficialmente 18.400 mortes, porém, na realidade, houve mais de 20 mil. As descrições da época são aterradoras: em quatro ou cinco horas, o corpo de um homem em perfeita saúde reduzia-se ao estado de um esqueleto.


Como se fora num abrir e fechar de olhos, jovens cheios de vida tomavam o aspecto de velhos carcomidos, e logo depois não eram senão cadáveres. Nos derradeiros dias de maio, a epidemia parecia recuar. Na segunda quinzena de junho, no entanto, um novo surto da doença redobra o pânico do povo. Mas, finalmente, no dia 30 de junho, a Casa Vachette entrega as primeiras 1.500 medalhas, que são distribuídas pelas Filhas da Caridade e abrem o cortejo sem fim das graças e dos milagres: Curas maravilhosas se deram e a epidemia foi debelada.

Houve depois a conversão de Alfonso Ratisbona do Judaísmo para o Cristianismo e ele se pôs a trabalhar para a aproximação dos judeu-cristãos.

A Igreja falava na santa medalha, mas o povo logo a chamou de medalha milagrosa. Quando Santa Catarina Labouré faleceu dia 31 de dezembro de 1876 já um bilhão de medalhas tinham sido distribuídas. Cumpre se lembre sempre que a Santa Igreja chama de “sacramental” alguns objetos abençoados pelo sacerdote, tais como: as medalhas milagrosas e de São Bento, o escapulário de Nossa Senhora do Carmo e o terço. Não transmitem por si mesmos a graça como os sacramentos, mas penhoram as bênçãos divinas e ajudam os cristãos a progredir na fé, na esperança, na prática das outras virtudes e na vida de oração.
 
Cônego José Geraldo Vidigal de Carvalho
Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos

quinta-feira

Evangelho (Lucas 21,29-33)

Quinta-Feira, 24 de Novembro de 2011
Sto. André Dung-Lac, Comps. Mts.

 


— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:
20“Quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, ficai sabendo que a sua destruição está próxima. 21Então, os que estiverem na Judeia, devem fugir para as montanhas; os que estiverem no meio da cidade, devem afastar-se; os que estiverem no campo, não entrem na cidade. 22Pois esses dias são de vingança, para que se cumpra tudo o que dizem as Escrituras.
23
Infelizes das mulheres grávidas e daquelas que estiverem amamentando naqueles dias, pois haverá uma grande calamidade na terra e ira contra este povo. 24Serão mortos pela espada e levados presos para todas as nações, e Jerusalém será pisada pelos infiéis, até que o tempo dos pagãos se complete. 25Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra, as nações ficarão angustiadas, com pavor do barulho do mar e das ondas. 26Os homens vão desmaiar de medo, só em pensar no que vai acontecer ao mundo, porque as forças do céu serão abaladas. 27Então eles verão o Filho do Homem, vindo numa nuvem com grande poder e glória. 28Quando estas coisas começarem a acontecer, levantai-vos e erguei a cabeça, porque a vossa libertação está próxima”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

O verdadeiro cristão não tem problemas, tem desafios

A família é a esperança na vida de qualquer um. Mas, infelizmente, o mal tem sido muito esperto, pois ele tem um jeito muito sutil de entrar no seu lar e destruir o relacionamento familiar.

Deixamos que coisas entrem em nosso lar, sem mesmo saber o motivo disso estar acontecendo. Muitas vezes, convivemos com as drogas, a bebida, a prostituição e muitas outras coisas, mas não nos preocupamos em saber o porquê.

Nós permitidos que nossa família adoeça, mesmo recebendo o amor de Deus. E se ela não receber os devidos cuidados, será rapidamente morta.

O primeiro passo para a cura é aceitar que somos amados por Jesus, independentemente da nossa miséria. Ele não quer saber dos nossos vícios, pecados e carências. Ele nos acolhe da forma em que nos encontramos.

Não pense que Deus se esqueceu da sua família, profetize a glória independente da situação que seus queridos estejam vivendo hoje.

O verdadeiro cristão não tem problema, tem desafios. Deus nos prepara para o que vamos enfrentar, por isso, demos glória pela preocupação d'Ele para conosco.

Quem ama não esquece e, com certeza, somos amados por Jesus. Ele jamais vai se esquecer de Seus filhos amados e das nossas necessidades.

Cristo diz hoje que você não está morto, assim como falou para Seus apóstolos sobre a morte de Lázaro. E ao falar isso, Ele quis dizer que nada estava perdido, assim como nenhum de nós o está. Para Deus sempre há esperança de um recomeço.

É pelo amor que nossa família será curada e liberta. Mas é preciso fazer nossa parte, é necessário dar o primeiro passo, pois Deus está nos chamando para  restaurar nossa família, mas talvez estejamos fechados para esse chamado.

Seja um Evangelho vivo dentro da sua família, seja a própria graça de Deus dentro da sua casa
. Se hoje a sua família está destruída, é porque, por muitas vezes, Jesus não esteve dentro da sua casa.

"O verdadeiro cristão não tem problema, tem desafios", ensina padre Crystian


Se você acredita na Palavra de Deus, a partir de hoje você vai parar de pedir e começará a agradecer, pois a obra d'Ele já está sendo realizada no seu lar.

Nós transformamos nossa família de paraíso a vale de lágrimas, onde pessoas gemem e choram. Se é assim que seu lar se encontra, então mude, porque ainda há salvação para aquele que se arrepende dos seus erros.

Não importa a forma que sua família se encontra hoje, mas se você quiser ver um milagre, obedeça a ordem que Jesus deu diante do túmulo de Lázaro: "Tirai a pedra". E com isso, retire tudo que o impede de se aproximar de Deus e dos seus queridos.

Deus vai usá-lo para ressuscitar a sua família, pois o impossível Ele pode realizar na sua família! Sozinho ninguém pode ir além, mas uma família unida tem o poder de realizar maravilhas e receber infinitas graças do Nosso Senhor Jesus Cristo.
Padre Crystian Shankar

quarta-feira

Evangelho Lc 21, 12-19

34ª Semana Comum

— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
12“Antes que estas coisas aconteçam, sereis presos e perseguidos; sereis entregues às sinagogas e postos na prisão; sereis levados diante de reis e governadores por causa do meu nome. 13Esta será a ocasião em que testemunhareis a vossa fé. 14Fazei o firme propósito de não planejar com antecedência a própria defesa; 15porque eu vos darei palavras tão acertadas, que nenhum dos inimigos vos poderá resistir ou rebater. 16Sereis entregues até mesmo pelos próprios pais, irmãos, parentes e amigos. E eles matarão alguns de vós. 17Todos vos odiarão por causa do meu nome. 18Mas vós não perdereis um só fio de cabelo da vossa cabeça. 19É permanecendo firmes que ireis ganhar a vida!

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

terça-feira

Traídos pelo temperamento


 

A mansidão é dom do céu, mas é conquista do indivíduo
Acontece em todas as igrejas. Pode acontecer conosco. Temperamento a gente carrega. Se for explosivo, a gente o controla. Há pedreiros que erguem rápida eficazmente uma parede e, depois, nem eles sabem por que, derrubam-na com duas marretadas e um coice. Precisam de ajuda!
Tenho visto pregadores cheios de conteúdo perderem sua obra por culpa de seus gestos e de sua impaciência, que acabam mais proclamados do que sua mensagem. Sei de pelo menos dez que, em tempo, se deram conta de seus rompantes, pediram ajuda ou oraram e conseguiram tornar-se pessoas serenas e controladas. Sei dos que acabaram vencidos pelo temperamento e nunca se corrigiram. O povo deixou de procurá-los.
O temperamento forte até pode ajudar, desde que controlado. É a tal da mística da palavra certa, do jeito certo, na hora certa e para a pessoa certa. Ninguém tem que ser um cordeirinho o tempo todo. Se por algum momento for preciso reagir em defesa dos pobres e feridos, o cordeirinho deve rugir. O que não se admite é que um pregador da fé tenha este temperamento de pitt-bull, que o fiel nunca sabe quando explodirá, porque seu pregador depende das fases da lua.
A ascese cristã, em voga em todas as igrejas, pede do pregador que se controle para não destruir, com seus rompantes, o que construíram com sua cultura. Uma psicóloga religiosa, que se especializou em atender pregadores estressados, dizia, numa conferência diante de bispos e sacerdotes, que mansidão é dom do céu, mas é conquista do indivíduo. Hoje existem até fármacos para os casos mais difíceis. Riachos não descem controlados, mas, canalizados e controlados, dão luz e ajudam a semear a vida. Ela sugeria que os bispos obrigassem seus pregadores a frequentar, ao menos por dois dias, um curso de ascese e de relações humanas.
Alguns leigos que estão a ler estas linhas assinariam embaixo. É uma pena que sacerdotes cultos e preparados, com tanto a ensinar, tenham temperamento de Pitt Bull. A graça de Deus já domou verdadeiras feras. Quem é vítima desse temperamento, hoje, com os recursos da psicologia e da fé pode mudar em pouco tempo. Resta ver se os irados e traídos pelo temperamento admitam que é com eles que a Igreja está falando, quando pede dos seus ministros mais delicadeza com o povo de Deus… Afinal, gentileza é uma das facetas mais admiráveis da pastoral!

Padre José Fernandes de Oliveira - (Pe. Zezinho, scj)
Escritor, compositor e cantor, pertencente à Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus (Dehonianos)

Evangelho (Lucas 21,5-11)

Santa Cecília


— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo,
5algumas pessoas comentavam a respeito do Templo que era enfeitado com belas pedras e com ofertas votivas. Jesus disse: 6“Vós admirais estas coisas? Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído”. 7Mas eles perguntaram: “Mestre, quando acontecerá isto? E qual vai ser o sinal de que estas coisas estão para acontecer?” 8Jesus respondeu: “Cuidado para não serdes enganados, porque muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu!’ E ainda: ‘O tempo está próximo’. Não sigais essa gente! 9Quando ouvirdes falar de guerras e revoluções, não fiqueis apavorados. É preciso que estas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim”. 10E Jesus continuou: “Um povo se levantará contra outro povo, um país atacará outro país. 11Haverá grandes terremotos, fomes e pestes em muitos lugares; acontecerão coisas pavorosas e grandes sinais serão vistos no céu”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

sexta-feira

O risco da responsabilidade


O medo do risco nos paralisa

A parábola que Jesus nos propõe, em Mateus 25, 14-30, fala-nos do medo do risco e da busca de seguranças. É o caso do empregado que recebeu só um talento. O medo do risco nos paralisa e nos faz projetar uma imagem falsa de Deus: “Senhor, sei que és um homem severo, pois colhes onde não plantaste e ceifas onde não semeaste. Por isso, fiquei com medo e escondi o teu talento no chão. Aqui tens o que te pertence.”

Naquele tempo, esconder dinheiro no chão era a maneira mais segura de guardá-lo. Esse empregado buscava segurança na luta pela justiça que provoca a vinda do Reino. Era mais fácil e cômodo enterrar o talento do que investir.

A parábola não fala do risco enfrentado pelos empregados que receberam cinco e dois talentos, mas o risco existia e ainda existe. Basta que pensemos nos desafios que a justiça do Reino de Deus proporciona aos que lutam por ela em nossos dias.
A busca de segurança faz pensar nos conservadores do tempo de Jesus e de hoje. No tempo de Jesus, a onda conservadora era provocada pelos doutores da Lei e fariseus e a “justiça” deles impedia o acesso ao Reino do Céu. E hoje, quando os desafios da justiça são mais graves, o que ganhamos? O empregado conservador criou uma teologia própria, fazendo de Deus um patrão cruel, um ídolo.

E hoje? Projetamos imagens distorcidas de Deus?


Não nos esqueçamos de que o patrão chama de “mau, preguiçoso e inútil” àquele que, com medo do risco e buscando seguranças, enterrou parte dos bens de Deus.

A parábola mostra a grandeza e a fragilidade de Deus. Sua grandeza está em “entregar Seus bens” às pessoas. Nada retém para si. Tudo o que tem é entregue. Sua fragilidade apresenta-se em forma de risco. De fato, falando com o empregado mau e preguiçoso, dá a entender que conhecia o modo certo de multiplicar esses bens sem a colaboração das pessoas: “Você devia ter depositado meu dinheiro no banco para que, na volta, eu recebesse com juros o que me pertence”. Bem que o empregado mau poderia ter-lhe respondido: “E por que você próprio não fez isso?” A resposta parece evidente na parábola: confiando nas pessoas, Deus arrisca perder. Contudo, confia e entrega. Sua fragilidade ressalta Sua grandeza.

A parábola também representa a comunidade cristã empenhada em suas várias atividades. A distribuição desigual dos "talentos" sublinha a diversidade de tarefas que o Senhor entrega a cada um. Deus se serve de nós como Seus cooperadores para a realização dos planos d'Ele. Ele age por meio de pessoas e quer que elas correspondam generosamente às expectativas d'Ele. A vocação cristã não deve ser um capital improdutivo, um depósito morto. É um dom que devemos fazer frutificar com
habilidade, sabedoria e amor, tendo sempre em vista a comunidade. É assim que colaboramos na construção do Reino de Deus, que começa no testemunho e se concretiza definitivamente na eternidade...



Dom Eurico S. Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora (MG)

Precisamos permitir que Deus trabalhe em nós

Não existe caminho para Jesus Cristo sem oração 
 
Oração é força em todos os momentos, mas quem é de oração diária sabe que nem todo dia é fácil ter fé. Rezar é um diálogo amoroso [com Deus], mas também uma disciplina, uma questão de fé. No entanto, eu percebo que deixamos para rezar apenas nos momentos de desespero, de incertezas; e não entendemos os três pilares da oração: vida, Palavra e liturgia.

Hoje, vamos nos lembrar de que a intimidade com Deus é estar na presença d'Ele; a mesma intimidade que Moisés teve com o Senhor no Êxodo; a intimidade profunda de Jesus com o Pai. Assim Cristo viveu, morreu e ressuscitou.

Querido povo de Deus, lembremo-nos do que Nosso Senhor representou na vida dos apóstolos: um homem de profunda oração. Tanto que é chamado de "o novo Moisés".

Moisés foi um líder espiritual, passou por todo o processo de conversão, fez a experiência da sarça ardente. O maior trabalho do profeta não foi com o faraó, mas trabalhar a consciência dos anciãos, convencê-los e a todo povo de que poderiam ter uma vida diferente na Terra Prometida. Esse foi seu maior trabalho.

No livro do Êxodo, Moisés é chamado a subir o Monte Sinai e lá permanecer por 40 dias e 40 noites. Nesse tempo, o povo se perdeu, fez um bezerro de ouro. O povo tinha quebrado o pacto com Deus, traído Javé. Ao voltar, o profeta se depara com um povo traidor. Então, o Senhor lhes diz: “Jamais andarei entre vós”. Moisés diz: “Se é, pois, verdade que gozo de teu favor, faze-me conhecer teus caminhos, para que te conheça e assim goze de teu favor. Considera que esta nação é o teu povo”. Deus lhe responde: “Farei também isto que pediste, pois gozas de meu favor, e eu te conheço pelo nome” (Êxodo 33,13-17).

Intimidade é entrega, é confiança, cumplicidade, parcimônia, é quando o sonho de um se mistura ao sonho de outro. Para mim, oração não é uma coisa estanque, mas intimidade, é viver dia e noite na presença de Deus.

Ser íntimo de Deus é estar na presença d'Ele
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Jesus é o mestre da oração, razão pela qual os apóstolos Lhe pediram que os ensinasse a rezar. A base da oração está em Lucas: “Pedi e vos será dado; procurai e encontrareis; batei e a porta vos será aberta. Pois todo aquele que pede recebe; quem procura encontra; e a quem bate, a porta será aberta” (Lucas 11,9-10). Por que você reza? Porque acredita, porque necessita do Senhor.

Rezar sempre foi o apelo de Jesus feito para nós. Precisamos fazer um condicionamento espiritual, nos exercitar na oração. Se temos de exercitá-la, temos de aprender a rezar. Mas quais são as suas dificuldades na oração? Já me fiz essa pergunta. Geralmente, as respostas são: falta de tempo (desculpa esfarrapada!), distração, dificuldade de oração.

Onde buscar conteúdo para a oração?

1 - Na Palavra de Deus, a primeira mina d'água da oração. Se você não tem a Palavra, a oração não flui.
2 - Na liturgia da Igreja. Uma pessoa que não tem uma vida de sacramento, raramente tem uma vida de oração.
3 - Nas virtudes de fé, esperança e caridade. Elas são conteúdos da nossa oração.
4 - A vida. Leve sua vida em oração para Jesus. Rezar é derramar sua vida para Ele, dizer-Lhe como ela está. Quando a vida entra na oração, pode ser que o que temos para mostrar ao Senhor não seja muito bom, seja pouco, mas é o que Deus quer de você.

Muitas vezes, não progredimos na oração, porque achamos que ela é só para as horas de UTI. Mas não existe caminho para Jesus Cristo sem oração.

Quero lembrá-los de que Jesus é o caminho que nos leva ao Pai. Mas como rezar? A Igreja nos ensina algumas maneiras:

"Ninguém fica na presença de Deus sem estar empregnado d'Ele"
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

O primeiro tipo de oração é a vocal. É quando Deus fala ao ser humano por meio de Sua Palavra e por meio dela nos dirigimos a Ele. Uma das expressões da oração vocal é o Pai-nosso, mas a oração vocal não pode estar desligada do nosso desejo, porque, senão, torna-se uma oração mecânica.

Acredito que mesmo uma pessoa que entra numa igreja e fique distraído o tempo todo, Deus melhora a vida dela, porque ninguém consegue estar no sol sem se bronzear. Da mesma forma ninguém fica na presença de Deus sem estar empregnado d'Ele. Mas o contrário também acontece, pois se você ficar na presença do demônio, também ficará encardido.

É importante lembrar-se de que a oração vocal é uma expressão de palavra e também uma oração direta com Deus.

O segundo tipo de oração é a litúrgica. Ela tem de ser uma expressão exterior que nos acompanha e dá sentido às coisas, como ajoelhar-se, sentar-se no momento da leitura para ouvir a Palavra e levantar-se no Evangelho, estar de prontidão, atento. A oração tem de vir com sentimento e passar pelos nossos sentidos.

O canto na liturgia também é uma forma de oração. Santo Agostinho disse: “Quem canta reza duas vezes”. Toda oração é poderosa; sua força não está no poder da palavras, mas na fé, nas virtudes.

Querido povo de Deus, temos de aceitar os momentos de "oásis", mas a maior parte de nossa vida é feita no "deserto". Se quisermos ficar apenas no oásis, não chegaremos à Terra Prometida.

Você tem pedido para Deus tirar sua tibieza, sua falta de fé? Nem toda hora é fácil ter fé, nem toda hora é fácil tomar a cruz. Mas caminhe pelo deserto para alcançar a Terra Prometida.

Evangelho (Lucas 19,45-48)

Dedicação Basílicas S. Pedro e S. Paulo


— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo,
45Jesus entrou no Templo e começou a expulsar os vendedores. 46E disse: “Está escrito: ‘Minha casa será casa de oração’. No entanto, vós fizestes dela um antro de ladrões”. 47Jesus ensinava todos os dias no Templo. Os sumos sacerdotes, os mestres da Lei e os notáveis do povo procuravam modo de matá-lo. 48Mas não sabiam o que fazer, porque o povo todo ficava fascinado quando ouvia Jesus falar.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Como praticar a devoção dos Cinco Primeiros Sábados dedicados à Virgem Maria?

"Deus quer estabelecer no mundo a devoção a meu Imaculado Coração"    Na terceira aparição, em Fátima, a 13/7/191...