O Grupo de Oração Sementes de Maria acontece todos as terça-feiras, as 19:30 com início do Santo Terço, na Capela Rosa Mística, Rua Paulina Maria Alves, 210, Loteamento, Pompéu/MG.

sexta-feira

Os pecados paralisam nossa fé

Nesta semana o grupo de oração Amor Maior, apresentado pela missionária Salette Ferreira, aborda o tema da cura do paralítico, da passagem bíblica de Mateus 9, 2 -7.


“Apresentaram-lhe, então, um paralítico, deitado numa maca. Vendo a fé que eles tinham, Jesus disse ao paralítico: “Coragem, filho, teus pecados estão perdoados!” Então alguns escribas pensaram: “Esse homem está blasfemando”. Mas Jesus, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: “Por que tendes esses maus pensamentos em vossos corações? Que é mais fácil, dizer: ‘Os teus pecados são perdoados’, ou: ‘Levanta-te e anda’? Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder para perdoar pecados, — disse então ao paralítico — levanta-te, pega a tua maca e vai para casa”. O paralítico levantou-se e foi para casa” (Mt 9, 2-7).
A consagrada nos convida a apresentar para Jesus as situações que paralisam nossa fé diante dos problemas e das situações que não podemos resolver humanamente.

"Apresente ao Senhor suas limitações e fragilidades diante de um problema que, humanamente falando, não tem solução, assim como aquele paralítico, apresentado na passagem bíblica, não tinha solução humana para o seu problema. Aquele homem iria morrer paralítico, mas ele foi levado até Jesus, que o olha e lhe perdoa os pecados e ele volta a andar", recorda a missionária.


Salettte nos faz refletir sobre nossos pecados, como eles nos paralisam, e nos aconselha que os apresentemos ao Senhor, pois para Ele é mais fácil perdoar os nossos pecados do que simplesmente nos curar fisicamente.


"Apresente seu coração ao Senhor e diga a Ele: 'Jesus, perdoe os meus pecados, assim como perdoou os pecados daquele homem paralítico e este começou a andar em consequência da cura espiritual'", intercede a consagrada.


Salette encerra o programa com uma oração de cura. “Senhor, eu preciso da cura dos pecados que me paralisam. Jesus, cure o meu interior e perdoe os meus pecados, cure-me das paralisias, pois preciso caminhar na Sua direção. Jesus, rompa todos os vínculos infernais que estão na minha vida. Eu renuncio a todo vínculo com as obras estranhas, com o maligno e com as coisas do mundo, e hoje quero ter a minha vida vinculada a Jesus, à Palavra de Deus e ao Seu nome. Peça a Jesus que lhe dê a graça de viver segundo a Sua Palavra, de viver a positividade que o Seu Evangelho e as Suas promessas trazem para a nossa vida. Senhor, eu não quero ficar paralisado no meu passado nem na minha vida presente. Eu quero abrir o coração para tudo o que o Senhor tem para mim e caminhar na Sua direção. Liberte-me de todas as amarras e cure-me de todas as minhas paralisias, sejam elas emocionais, físicas ou espirituais. Senhor, olhe para mim e liberte-me assim como perdoou aquele paralítico. Senhor, eu creio, mas aumente a minha fé".

Salette Ferreira

Confiar sempre no Divino Pai Eterno

 Quando falamos em Divino Pai Eterno, não estamos falando  de um santo, como muitos fiéis se enganam. Ele é o próprio  Deus, Criador dos céus e da terra, parte da Trindade Santa.

A Palavra de Deus nos elucida sobre a confiança que devemos ter por Ele. “Nossos pais puseram a confiança em Vós, esperaram em Vós e os livrastes” (Salmo 21:5). É assim que Deus Pai faz a Aliança com Seu povo: pela promessa de uma vida eterna na terra prometida.

É necessário que confirmemos nossa confiança no Senhor, pois a segurança e o conforto de que precisamos só são encontrados quando nos deixamos guiar pelos ensinamentos d'Ele.

É papel dos pais orientar seus filhos nos primeiros passos do caminho de Deus, pois é impossível que eles façam as escolhas certas se nem ao menos têm conhecimento da Palavra de Deus.

A fé deve ser ensinada, ela deve ser aprendida, é dom de Deus, mas deve purificar nossa alma pelo ensinamento. E não devemos guardá-la para nós, devemos transmiti-la, ensinando principalmente para nossos queridos. É nossa obrigação ter esse zelo e jamais cair no comodismo.

Quem vai educar seu filho é você, quem vai fazer com que seu neto seja uma pessoa do bem é você e quem vai levar sua família para o céu também é você.


Nós que depositamos a nossa confiança em Deus jamais vamos morrer, não temeremos as secas, os desertos e as dificuldades impostas pela vida.

Quantas vezes não fomos alvos de calúnias, traições, decepções e julgamentos de pessoas que acreditávamos ser nossas amigas? Tudo isso é fruto da inveja, algo a que ninguém está imune, mas cabe a nós, filhos de Deus e seguidores da Sua Palavra, lidarmos com isso.

"A fé é o fundamento da nossa esperança", ensina padre Robson


Infeliz é o homem que ama o dinheiro, pois sua ruína está garantida
. Mas feliz é aquele que coloca seu tesouro no lugar certo, que confia na pessoa certa e coloca sua alegria no Senhor.

Mesmo que passemos por decepções na vida, sabemos onde encontrar alento para o espírito e segurança em meio à turbulência, pois nossa confiança está em Jesus Cristo.

A fé é o fundamento da nossa esperança, se eu espero é porque eu creio. Essa fé, que é uma luz concedida pelo Pai Eterno para brilhar dentro de nós, é sua missão. Mas não devemos nos enganar, pois ela é o instrumento para nossas boas obras, e sendo assim devemos torná-la fecunda ao anunciá-la a todos.

Devemos pedir a mesma fé que Abraão teve quando aceitou a ordem de Deus para sacrificar seu filho. E diante de todo desespero e angústia, Abraão foi capaz, enquanto caminhava até o monte, de dizer a seu filho, ao ser questionado sobre qual seria o sacrifício, “Deus proverá”.

Deus nos forja e trabalha nossa vida de acordo com o que tem reservado para nós. Cabe a nós fazer a escolha certa e aceitar de coração aberto tudo que Ele quer realizar em nossas vidas a partir de hoje.

É preciso que aceitemos nossa missão e aprendamos a viver pela misericórdia do Divino Pai Eterno. Hoje Deus nos chama para sermos fontes de luz na vida de outras pessoas. Feliz é você que crê no Senhor, porque todas as promessas de Deus serão cumpridas em sua vida!


padre Robson

Evangelho (Lucas 10,13-16)

Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2011
São Jerônimo


— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus:
13“Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque se em Tiro e Sidônia tivessem sido realizados os milagres que foram feitos no vosso meio, há muito tempo teriam feito penitência, vestindo-se de cilício e sentando-se sobre cinzas. 14Pois bem: no dia do julgamento, Tiro e Sidônia terão uma sentença menos dura do que vós. 15Ai de ti, Carfanaum! Serás elevada até o céu? Não, tu serás atirada no inferno. 16Quem vos escuta a mim escuta; e quem vos rejeita a mim despreza; mas quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

quinta-feira

A força do intercessor

Moisés não ora por si, mas pelos outros
Em nosso batismo fomos feitos sacerdotes, capazes de oferecer a Deus sacrifícios agradáveis, também em favor dos outros. Quantas situações nos são apresentadas diante dos olhos e intimidam nosso coração a uma atitude em favor de alguém ou de algo? Será que aí não estão uma escolha e um convite do Espírito Santo para interceder?

Foi Deus quem chamou Moisés, e agora também nos chama de um lugar que arde, mas que não é a sarça. Chama-nos em nosso coração e abrasa-o com Seu Espírito Santo a fim de enviar-nos, para partilhar de Sua compaixão com os que sofrem, para colaborar em Sua obra de salvação.
Deus está vivo e quer contar com homens e mulheres que estejam dispostos a levar a vida que Ele tem e dá àqueles que se perderam. Todos os que amam sinceramente a Deus não cessam de rezar pelos pobres pecadores.
Diz a Sagrada Escritura que Deus falava com Moisés face a face como um homem fala com o outro (cf. Ex 33,11). Só quem é capaz de gastar seu tempo na presença do Senhor pode experimentar a força da oração intercessora e ver o Seu poder.
Um Deus cheio de misericórdia e amor ensinou Moisés, na intimidade, que é preciso ter um coração generoso, lento para a cólera, pronto para amar e fazer o bem. Foi nessa intimidade amorosa que a oração desse profeta se tornou potente. Ele não ora para si, mas pelos outros, pelo povo de Deus, e foi capaz de enfrentar a Deus por amor de seu povo, bem como enfrentar seu povo por amor de Deus. Ele era um homem ousado, inflamado pela experiência do amor de seu “amigo Deus”.
A oração de intercessão é profundamente agradável a Deus, pois é desprovida do veneno de nosso egoísmo. Quando rezamos pelos outros, saímos de nós mesmos, de nosso mundinho de mesquinhez e experimentamos o mesmo que Dom Bosco: Deus nos colocou no mundo para os outros.

Jesus viveu para os outros, viveu para o Pai e para nós, esquecendo-se de Si mesmo. Ele é o único intercessor junto ao Pai em favor de todos os homens.
Interceder é pedir em favor de alguém, de maneira especial por aqueles que mais necessitam. Só quem experimentou a misericórdia do Senhor pode interceder com eficácia, pois ninguém pode dar o que não recebeu. É um coração misericordioso que faz a nossa oração agradável a Deus.
O intercessor só pode ser um homem cheio do Espírito, pois o Espírito Santo é o Paráclito, Ele mesmo intercede por nós com gemidos inefáveis. Se estar cheios do Espírito nos leva a interceder, o contrário também é verdade: interceder vai nos fazendo cada vez mais plenos do Espírito Santo; basta que Ele veja um coração determinado à intercessão, que já vem logo ensinar como fazê-lo.

Evangelho (João 1,47-51)

Quinta-Feira, 29 de Setembro de 2011
S. Miguel, S. Gabriel e S. Rafael



— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo,
47Jesus viu Natanael que vinha para ele e comentou: “Aí vem um israelita de verdade, um homem sem falsidade”. 48Natanael perguntou: “De onde me conheces?” Jesus respondeu: “Antes que Filipe te chamasse, enquanto estavas debaixo da figueira, eu te vi”. 49Natanael respondeu: “Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel”. 50Jesus disse: “Tu crês porque te disse: “Eu te vi debaixo da figueira? Coisas maiores que esta verás!” 51E Jesus continuou: “Em verdade, em verdade eu vos digo: Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

quarta-feira

A importância da amizade


Quando se fala de amizade hoje em dia, nota-se que a maioria de pessoas tem dificuldade em criar amizades por falta de confiança. As pessoas estão totalmente envolvidas num sentimento de medo de se entregar a amizade, dando vista aos grandes números de vigaristas que se dão de amigos enquanto tem algo para ganhar.

Uma boa noticia é que ainda existem amigos verdadeiros, e o motivo que os une vai alem de interesses seja de que natureza for, então o que poderia motivar alguém de ter amizade sincera? Uma amizade que mesmo na tristeza não terá duvidas de ser amizade.
Esta motivação só poderia vir de alguém que realmente nos quer bem, não é? E a motivação que une as pessoas numa amizade verdadeira, é fazer parte do Reino de Deus. Quando se fala em amizade cristã tudo fica diferente. Quem tem Jesus no coração tem uns amigos totalmente diferentes e esta diferença não vem de nós e sim do amor de Deus que esta dentro de nós.
Amigo não é só aquele que te levanta mais sim aquele que não te deixa cair. Aprendemos numa das lições passadas que Deus nos criou seres sociais, devemos buscar os relacionamentos uns com outros assim como aprendemos na palavra de Deus em Atos 14.21-22: E, tendo anunciado o evangelho naquela cidade e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, e Icónio e Antioquia,
22 Confirmando os ânimos dos discípulos, exortando-os a permanecer na fé, pois que por muitas tribulações nos importa entrar no reino de Deus.
A nossa vida não será só um mar de rosas alem das felicidades teremos de enfrentar provações, tribulações e por isso é importante ter amigos para nos ajudar uns aos outros e lembrar sempre que nos somos a grande FAMILIA DE DEUS: Efésios 2.19: Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus;

A santa paz do Senhor esteja com todos
Amém

Evangelho (Lucas 9,57-62)

Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2011
26ª Semana Comum


— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo,
57enquanto Jesus e seus discípulos caminhavam, alguém na estrada disse a Jesus: “Eu te seguirei para onde quer que fores”. 58Jesus lhe respondeu: “As raposas têm tocas e os pássaros têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça”. 59Jesus disse a outro: “Segue-me”. Este respondeu: “Deixa-me primeiro ir enterrar meu pai”. 60Jesus respondeu: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos; mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”. 61Um outro ainda lhe disse: “Eu te seguirei, Senhor, mas deixa-me primeiro despedir-me dos meus familiares”. 62Jesus, porém, respondeu-lhe: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

terça-feira

Hoje comemoramos o dia de São Vicente de Paulo


"Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e espírito e amarás ao teu próximo como a ti mesmo" (Mat 22,37.39).

Se não foi o lema da vida deste santo, viveu como se fosse. O santo de hoje, São Vicente de Paulo, nasceu na Aquitânia (França) em 1581. No seu tempo a França era uma potência, porém convivia com as crianças abandonadas, prostitutas, pobreza e ruínas causadas pelas revoluções e guerras.


Grande sacerdote, gerado numa família pobre e religiosa, ele não ficou de braços cruzados mas se deixou mover pelo espírito de amor. Como padre, trabalhou numa paróquia onde conviveu com as misérias materiais e morais; esta experiência lhe abriu para as obras da fé. Numa viagem foi preso e, com grande humildade, viveu na escravidão até converter seu patrão e conseguiu depois de dois anos sua liberdade.


A partir disso, São Vicente de Paulo iniciou a reforma do clero, obras assistenciais, luta contra o jansenismo que esfriava a fé do povo e estragava com seu rigorismo irracional. Fundou também a "Congregação da Missão" (lazaristas) e unido a Santa Luísa de Marillac, edificou as "Filhas da Caridade" (irmãs vicentinas).


Sabia muito bem tirar dos ricos para dar aos pobres, sem usar as forças dos braços, mas a força do coração. Morreu quase octogenário, a 27 de setembro de 1660.


São Vicente de Paulo, rogai por nós!

Ser generoso

A prática da vida cristã deve ser a do amor


Os nossos critérios de ação devem ultrapassar a realidade unicamente humana. Na origem das atitudes há os dados da ética e da moral, mas também as questões divinas que estão relacionadas com as questões da fé.

Ser generoso não é simplesmente ser justo, mas atender às necessidades de quem está em jogo. Não é fato apenas de merecimento e de justiça, mas de solidariedade e de partilha de forma fraterna, para que todos tenham vida digna.
O mundo é como um terreno onde se planta de tudo. É daí que tiramos os alimentos. Mas todos devem trabalhar, uns mais e outros menos, dependendo das condições de cada pessoa. Os frutos são para sustento da coletividade e de forma solidária.
Para o trabalho, há pessoas que chegam cedo, outras trabalham menos, mas ambos têm necessidade de vida e de alimento. Na partilha, ninguém pode ser injustiçado, mesmo que alguém receba além do que é justo por não ter trabalhado o tempo todo.
Jesus conta a parábola do patrão que combinou o salário do dia com um trabalhador. Outros foram chegando ao transcorrer do dia, havendo até quem chegasse ao final da tarde. A ambos o patrão pagou o mesmo valor. Ele agiu com justiça e com generosidade.

No mundo capitalista as atitudes são diferentes, mesmo sabendo da existência de quem partilha com os trabalhadores os lucros da empresa. No mundo de Deus, a ternura e a generosidade ultrapassam as nossas, a lógica é diferente do que fazemos.
A prática da vida cristã deve ser a do amor, com capacidade de doação maior do que aquilo que merecemos. É a misericórdia, a paciência, a compaixão, a bondade e a justiça, tendo como objetivo viver bem, tendo uma vida que faça sentido.

Para Deus, a partilha não é matemática, nem é mesquinha, porque Ele olha a necessidade da pessoa. A bondade do Senhor ultrapassa os critérios humanos e Seus dons são sem medida. O que importa não é o que fazemos, mas a forma como fazemos as coisas.

Um casal orante resiste a toda adversidade


Os cientistas dizem que, por causa do buraco na camada de ozônio, o calor está aumentando de ano para ano, em escala avançada. No entanto, a sobre a terra está esfriando de dia para dia, em escala assustadora! A mentalidade atual não é de oração, mas de eficiência: "Somos nós que resolvemos os nossos problemas".

A luta não é contra os problemas de bebida e adultério do cônjuge, não é contra a revolta dos filhos nas drogas, no desregramento. A batalha que enfrentamos vai além das forças humanas. É uma batalha espiritual. Estamos lutando contra os inimigos do mundo espiritual, que querem destruir o casamento.

"Pois não é o homem que afrontamos, mas as Autoridades, os Poderes, os Dominadores deste mundo de trevas, os espíritos do mal que estão nos céus. Que o Espírito suscite a vossa oração sob todas as suas formas, vossos pedidos, em todas as circunstâncias; empregai as vossas vigílias em uma infatigável intercessão por todos os santos [...]" (Ef 6,12.18).

Seja qual for o seu mal, o Senhor quer dar-lhe a cura e a libertação de que você precisa. Assuma: você é predileto de Deus! Quando oramos, o Espírito Santo realiza. Quando se testemunha a cura, o poder curador se faz presente.

Deus quer tocar o seu coração, reanimá-lo, levantá-lo e levantar seu casamento. Para Ele não existe distância, e o tempo é sempre “presente”. Pela oração, unimos a terra ao céu. Deus quer escutar a sua oração, Ele quer atender você. Permita que Ele solucione o seu impossível!

O poder libertador do Altíssimo é capaz de acabar com a droga, o alcoolismo, a infidelidade, o adultério e todos os ressentimentos que você tem carregado. Até em seu temperamento Deus quer agir. Basta a sua decisão e o Espírito Santo agirá.

Evangelho (Lucas 9,51-56)

Terça-Feira, 27 de Setembro de 2011
São Vicente de Paulo


— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

51
Estava chegando o tempo de Jesus ser levado para o céu. Então ele tomou a firme decisão de partir para Jerusalém 52e enviou mensageiros à sua frente. Estes puseram-se a caminho e entraram num povoado de samaritanos, a fim de preparar hospedagem para Jesus. 53Mas os samaritanos não o receberam, pois Jesus dava a impressão de que ia a Jerusalém. 54Vendo isso, os discípulos Tiago e João disseram: “Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para destruí-los?” 55Jesus, porém, voltou-se e repreendeu-os. 56E partiram para outro povoado.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

segunda-feira

A fé verdadeira só chega depois da tribulação



Seguir a Deus não significa não ter cruz, por isso não devemos desanimar, mas confiar que o Senhor tem o melhor para nós. Temos de compreender que, na vida, nós estamos numa caminhada e o ponto de partida para todos nós é compreender que as tribulações não podem ser compreendidas como castigo ou obstáculo. Não há discipulado sem cruz, no eixo do discipulado há cruz.

Quando eu falo de cruz, estou falando do Crucificado, o nosso Redentor. No discipulado, tribulação, sofrimento e aflições são parte do caminho de santificação. Se nós olharmos para a nossa vida veremos que todas as situações de sofrimento nos levam a um caminho de purificação.






A tentação vem do diabo, e as tribulações são permitidas por Deus. Vejamos essa passagem bíblica que nos ajudará a meditar melhor sobre essa realidade:

"Pois o Senhor corrige a quem ama e castiga todo aquele que reconhece por seu filho (Pr 3,11s). "Estais sendo provados para a vossa correção: é Deus que vos trata como filhos. Ora, qual é o filho a quem seu pai não corrige? Mas se permanecêsseis sem a correção que é comum a todos, seríeis bastardos e não filhos legítimos" (Hb 12,6-8).

Você percebe que o discípulo precisa ser formado e provado. Quem ama quer constantemente provas de amor. O "castigo" de Deus não é um castigo para nos aniquilar ou fazer o mal, mas para nos formar e educar.

Na escola de Jesus temos as tribulações e provações como pedagogia, mas tudo isso por amor. Nós temos de compreender que nós estamos na pedagogia da cruz e que o sofrimento nos ajuda.

Olhamos para o esvaziamento de Jesus na cruz e nos perguntamos: "Por que Deus não fez nada? Por que Ele não tirou Seu Filho da cruz?" Isso é a sabedoria de Deus Pai. Ninguém gosta de sofrer nem deve pedir ou buscar o sofrimento, pois não precisa fazer isso, ele vem de qualquer forma.

Mais importante do que a saúde do corpo é a saúde da alma, por isso as provações estão a nosso favor e constituem uma sábia pedagogia de Jesus. As provações nos tiram do mundo e nos levam para Deus.

Se você está muito mergulhado nos prazeres do mundo, muito abastecido dos bens materiais ou tem tudo nas mãos, eu lhe digo: Você não é uma pessoa feliz, porque essas são alegrias momentâneas e vão passar. Hoje o mundo somente nos oferece prazeres que passam rapidamente como as drogas, bebidas e tantas outras coisas. Por isso digo mais uma vez: as provações nos arrebatam para Deus. O Senhor não mexe com quem não quer, mas Ele permite que as provações aconteçam para aqueles que querem segui-Lo de perto, porque essa pessoa saberá entender que é para o seu bem.

Você acha que é uma pessoa que já produz algum fruto? Claro se nós estamos aqui ou acompanhando, onde quer que você esteja, é sinal de que já damos muitos frutos, por isso há a necessidade de sermos podados para poder dar mais frutos.

É verdade que isso dói, e dói mesmo, mas é para o nosso bem. Eu indico um livro muito bom sobre a vida de Madre Teresa de Calcutá, que reflete para nós uma mulher que se entregou totalmente a Nosso Senhor e lutou pela santificação da Índia, um grande exemplo de vida, plena de caridade, dedicada ao povo e a Deus. Ela, mesmo passando por um momento terrível de aridez espiritual, nunca deixou de praticar o bem, a caridade.

Nós queremos, muitas vezes, vida fácil, não queremos enfrentar os demônios interiores porque queremos facilidade. Temos, muitas vezes, um coração duro. Entenda que o caminho de discipulado é uma subida cheia de dificuldades, mas que tem o auxílio de Nosso Senhor.

A fé verdadeira só chega depois da tribulação, por isso deixe vir a tribulação! O Papa Bento XVI foi espetacular na sua Encíclica “Spe Salvi”, na qual afirma que: "A fé se torna verdadeira quando se assume a cruz e caminha com esperança no Senhor Jesus".

Quais são as suas tribulações ou provações? Identificá-las é o primeiro passo e depois é preciso caminhar. É preciso identificar na vida espiritual o que você está vivendo. Precisamos aprender a identificar os problemas em nossa vida, digo isso a todos, pois sem Deus ficamos fracos; por isso há a necessidade de nos colocarmos diante do Senhor.

Eu sei que não estou sozinho neste momento, Deus está comigo, esse estar na presença do Altíssimo. Essa fé de que o Senhor está comigo independe da situação em que vivo.

Se eu estou passando por alguma provação eu colherei o fruto de uma fé provada. Depois de uma provação, de uma tempestade, vem a bonança, mas é preciso um esperar ativo em Deus Pai, caminhando com Ele e confiante.

Deus nos prova não para nos humilhar, mas para que nós possamos perceber o quanto necessitamos d'Ele, e o quanto somos frágeis.



 Padre Reginaldo Manzotti

Os caminhos do Senhor

Somos livres para recusar os dons de Deus
As formas de Deus agir, sempre manifestadas quando Ele se revela, são diferentes do jeito de ser da pessoa humana. O Seu projeto passa a constituir-se como proposta para o nosso proceder. As respostas que damos a Ele devem ser de forma consciente e livre.

As pessoas têm plena liberdade para atender o chamado feito pelo Senhor. Elas devem dizer um "sim" que realmente seja "sim", com autenticidade e coração livre. Muitos trocam seu "sim" pelo "não", deixando de realizar o bem como primeira proposta assumida.

Somos livres para recusar os dons de Deus, podendo até agir de forma contrária, evidenciando nosso orgulho próprio. Foi o que aconteceu com o filho que disse “sim” e acabou realizando o “não”, contrariando a vontade de seu pai.

Pelo nosso livre-arbítrio, podemos escolher fazer o bem ou o mal. Tendo feito a escolha, somos também capazes de mudar de rumo. Isso é sinal de que temos limitações e nunca estamos prontos e totalmente certos sobre o caminho que devemos percorrer.

Diante de tudo isso, o seguimento do caminho do Senhor supõe frequente revisão de vida. É um processo de conversão constante, de discernimento sobre o que seja melhor a ser realizado, e que traga consequências realmente positivas para o bem comum.

Para agir bem é preciso afastar de nós a arrogância e o egoísmo, porque eles ameaçam a convivência e criam privilégios. Com isso deixamos de ser servos. A prática da humildade faz a diferença na construção de uma comunidade fraterna e humana.

Nos caminhos do Senhor temos que evitar uma prática religiosa intimista, que tem um olhar voltado para Deus sem dar importância ao irmão com quem convivemos. É o perigo da prática vertical sem dimensão horizontal da fé, sendo ação apenas subjetiva. Assim caímos facilmente na ideologia da prosperidade, muito falada hoje, de olhar para si mesmo sem dar conta de que os caminhos do Senhor passam pela vida de comunidade. Deus quer nosso trabalho e luta para conquistarmos os bens necessários de sobrevivência.

Dom Paulo Mendes Peixoto
Bispo de São José do Rio Preto

Evangelho (Lucas 9,46-50)

Segunda-Feira, 26 de Setembro de 2011
São Cosme e São Damião



— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo,
46houve entre os discípulos uma discussão, para saber qual deles seria o maior. 47Jesus sabia o que estavam pensando. Pegou então uma criança, colocou-a junto de si 48e disse-lhes: “Quem receber esta criança em meu nome, estará recebendo a mim. E quem me receber, estará recebendo aquele que me enviou. Pois aquele que entre todos vós for o menor, esse é o maior”.
49
João disse a Jesus: “Mestre, vimos um homem que expulsa demônios em teu nome. Mas nós lhe proibimos, porque não anda conosco”. 50Jesus disse-lhe: “Não o proibais, pois quem não está contra vós, está a vosso favor”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

domingo

A influência da fé na nossa vida


As lutas no seu dia a dia, nos seus relacionamentos, na sua família, no seu trabalho e a busca constante de viver pela fé são lutas e desafios difíceis. “A fé vai mais longe que os simples dados empíricos ou históricos, e é capaz de apreender o mistério da pessoa de Cristo na sua profundidade”, disse Papa Bento XVI na homilia de encerramento da Jornada Mundial da Juventude de 2011.

"A fé é um dom de Deus e esse dom dentro de cada um de nós precisa se consolidar e crescer. É assim que precisamos viver, com a perspectiva de uma fé que cria raízes, alicerce, consolidada e sólida, que cresce sempre para o alto, ou seja, para Deus", diz o missionário.


"Eis a influência da fé em nossa vida, quando nós vivemos na fé e pela fé, buscando ter uma intimidade com Deus, nos tornamos pessoas sólidas, consolidadas, crescidas e maduras", afirma.


"A fé é um antegozo de conhecimento que nos tornará bem-aventurados na vida futura.” (Santo Tomás de Aquino).


O consagrado encerra o programa desta semana com a seguinte mensagem: "Quando você se deixa ser conduzido pela fé e a abraça com toda a força que há no seu coração, na sua alma e na sua mente, quando você não vive apenas pela razão, mas vive como um homem e uma mulher de fé, você experimenta aqui nesta vida esse antegozo do conhecimento e dessa intimidade com Deus, que o tornará bem-aventurado na vida futura.


Assim como é possível reconhecer um animal pela pegada, os sinais do céu e da lua não podem ter sido feitos pelo homem. Eis a fé: aquele que vive pela fé reconhece na humanidade e nos sinais aqueles que são sinais de Deus. Viva pela fé, deixe-se influenciar pela fé e viva tocando nos sinais e nos rastros de Deus na sua vida.


Deus o abençoe! 

Domingo, 25 de Setembro de 2011
26º Domingo do Tempo Comum


— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, Jesus disse aos sacerdotes e anciãos do povo:

28
“Que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, ele disse: ‘Filho, vai trabalhar hoje na vinha!’ 29O filho respondeu: ‘Não quero’. Mas depois mudou de opinião e foi.
30
O pai dirigiu-se ao outro filho e disse a mesma coisa. Este respondeu: ‘Sim, senhor, eu vou’. Mas não foi.
31
Qual dos dois fez a vontade do Pai?”
Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: “O primeiro”.
Então Jesus lhes disse: “Em verdade eu vos digo que os cobradores de impostos e as prostitutas vos precedem no Reino de Deus. 32Porque João veio até vós, num caminho de justiça, e vós não acreditastes nele. Ao contrário, os cobradores de impostos e as prostitutas creram nele. Vós, porém, mesmo vendo isso, não vos arrependestes para crer nele”.



- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor.

sábado

Como sobreviver enfrentando tantas dificuldades?

Somos os "infelizes que gritam a Deus". E somos ouvidos. Mas, ao mesmo tempo, porque somos ouvidos entramos em luta. Deixe-me dizer: somos "teimosos" como os apóstolos. Parece que eles eram teimosos, não é? Não parece não. Eles eram mesmo! Não "teimoso" no sentido ruim como nós falamos, mas essa "teimosia" por Deus. É preciso obedecer mais a Deus do que aos homens. Mesmo sofrendo, mesmo ameaçados, eles continuavam a lutar e não paravam.

  Meu irmão, minha irmã, eu não estou minimizando o seu sofrimento. Talvez o seu sofrimento interior e o sofrimento da sua família seja grande, grande demais. São problemas com o seu casamento e com seus filhos, com a pobreza que você enfrenta, o desemprego; ou, então, a luta com o trabalho que você tem (graças a Deus!). Não estou minimizando seus problemas, mas este é o "mínimo do mínimo" para você sobreviver enfrentando tantas dificuldades.

Eu não tenho outra coisa a dizer a não ser aquilo que você já sabe: aguente firme, meu filho! Aguente firme, minha filha! Porque "esse infeliz gritou a Deus e foi ouvido!"

"Aguente firme, meu filho!", exorta monsenhor Jonas Abib em sua pregação


Quantas vezes nós nos revoltamos contra Deus! Você pode pensar: "Por que é que Deus permite isso? Eu sou tão bom! E por que justamente na minha família acontecem esses problemas? No meu casamento eu sou tão fiel e tem tanta gente adúltera, tanta gente errada, que bebe, se droga; tanta gente corrupta que eu conheço até na minha cidade, mas parece que eles não têm problema nenhum! Mas eu, que sou um 'pobre Jó', cheio de problemas, por que sofro isso?".

Meu irmão, minha irmã, não se deixe enganar pelo inimigo. Ele quer dizer para você que existe um caminho "aberto", um caminho "largo", sem pedras e dificuldades. E diz: "Venha para cá! Venha para o meu lado. Deixe sua cruz, deixe de sofrimento! Venha para a lei da 'liberdade'!".

É claro, você não é bobo! Você não vai se deixar enganar. E eu estou dizendo hoje: não se deixe enganar. Pelo contrário, saiba que nós estamos "gemendo e chorando, degredados filhos de Eva, nesse vale de lágrimas". Mas a vitória de Jesus já está conosco! Como o Ressuscitado estava com os apóstolos, Ele está conosco. Ele está na sua casa, Ele está na sua família mesmo cheia de problemas.

Temos problemas e continuaremos tendo problemas, mas eu lhes digo que, até a vinda de Jesus, estaremos num "vale de lágrimas". Mas veja bem: quem deu do seu suor, da sua lágrima, quem deu do seu sangue nesta luta já tem parte no Céu Novo e na Terra Nova, na humanidade que o Senhor vai trazer. 


MONSENHOR JONAS ABIB

Evangelho (Lucas 9,43b-45)

Sábado, 24 de Setembro de 2011
25ª Semana Comum


— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo,
43btodos estavam admirados com todas as coisas que Jesus fazia. Então Jesus disse a seus discípulos: 44“Prestai bem atenção às palavras que vou dizer: O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens”. 45Mas os discípulos não compreendiam o que Jesus dizia. O sentido lhes ficava escondido, de modo que não podiam entender; e eles tinham medo de fazer perguntas sobre o assunto.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

sexta-feira

Eucaristia, nosso remédio de cada dia


Jesus quis concretizar a Sua presença entre nós na hóstia, sob a forma de pão e vinho, assim compreendemos que quando recebemos a Eucaristia estamos recebendo o Corpo do Senhor, que vem ser presença, remédio, cura, alimento e força para nós.

Assim como o alimento nos sustenta e o remédio que tomamos age sobre a nossa doença, a Eucaristia é o próprio Senhor, que vem a nós como alimento e remédio para atingir a nossa enfermidade, nosso ponto fraco.


Santo Agostinho, doutor da Igreja, nos fala:
“A Eucaristia é o pão de cada dia, que se toma como remédio para a nossa fraqueza de cada dia”.

É o Senhor que revigora a nossa fé para aproveitarmos toda a maravilha que é a Eucaristia. “Aquele que come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele”.

Deus te abençoe!


Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

Perdão, coisa de gente inteligente

O portador do ódio é sempre o mais prejudicado
 
 
 
 
 
 
Uma de nossas reações mais comuns diante do sofrimento é a busca de justificativas e de culpados para tais situações. Não é fácil lidar com a dor, mais difícil ainda é enfrentar perdas e injustiças. Qual o pai que, ao perder seu filho em um assassinato, não ficará revoltado? A dor humana é compreensível e não pode ser pormenorizada, porém, precisamos aprender a trabalhá-la em nós.

Diante da injustiça, a mágoa e a revolta são consequências reais, contudo, a história nos revela que tais realidades são apenas consequências da dor e não um remédio para ela.

A violência sempre gerará mais violência, desencadeando assim um gradativo processo de disseminação do ódio, o qual, por sua vez, nunca encontrará o seu fim.

Mas como finalizar esses processos inaugurados pelo ódio? Para a violência se ausentar faz-se necessário a consciência de que um dos lados precisará ceder, perdoando.

Somos muito orgulhosos, em consequência do pecado original enraizado em nós e, por vezes, contemplamos as situações somente a partir do ângulo de nossas próprias razões. Nunca queremos dar o “braço a torcer” e queremos sempre ter a razão nas situações. E, muitas vezes, até a [razão] possuímos mesmo, contudo, “amar significa perder para ganhar” e perdoar é abrir mão da própria razão por uma realidade mais nobre.

Por mais injustiça que tenhamos experienciado, a atitude mais racional diante dessa realidade é o perdão. Por quê? Porque a mágoa nos torna pequenos e empobrecidos demais, além de ser a raiz de inúmeras enfermidades (segundo muitas comprovações científicas). O portador do ódio é sempre o mais prejudicado. Quando estamos magoados pensamos na pessoa que nos causou a dor durante as 24 horas do dia e acabamos por “aprisioná-la” dentro de nós.

Aquele que alimenta o ódio enxerga apenas a si mesmo e o seu sofrimento, fragmentando assim a própria existência e deixando de lado outras realidades essenciais. Quem vive magoado não tem qualidade de vida, não tem paz…

Perdoar é extinguir a trama de angústias que o ódio produz em nós, é libertar-se para descobrir a beleza até mesmo na desventura.

Sei que, em determinadas situações, o perdão não é coisa fácil, porém, perdoar é uma questão de decisão e não de sentimento. A graça de Deus não nos desampara, ela está sempre pronta a auxiliar aqueles que desejam verdadeiramente viver a reconciliação.

Não percamos mais tempo: libertemo-nos de toda mágoa! Existe muita vida para se viver e ainda muita alegria/realização para se conquistar.

Coragem!

Evangelho (Lucas 9,18-22)

Sexta-Feira, 23 de Setembro de 2011
São Pio de Pietrelcina



— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Aconteceu que Jesus
18estava rezando num lugar retirado, e os discípulos estavam com ele. Então Jesus perguntou-lhes: “Quem diz o povo que eu sou?” 19Eles responderam: “Uns dizem que és João Batista; outros, que és Elias; mas outros acham que és algum dos antigos profetas que ressuscitou”.
20
Mas Jesus perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus”. 21Mas Jesus proibiu-lhes severamente que contassem isso a alguém.
22
E acrescentou: “O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

quinta-feira

Senhor, cure nossa cegueira espiritual


A missionária inicia esse momento de reflexão e unção com a seguinte passagem bíblica: “Quando estavam saindo de Jericó acompanhava-os uma grande multidão. Nisso, dois cegos sentados à beira da estrada ouviram que Jesus estava passando. Gritaram: “Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de nós!”. A multidão os repreendia para que se calassem. Mas eles gritavam ainda mais alto: “Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de nós!” Jesus parou e os chamou, dizendo: “Que quereis que eu vos faça?” Eles disseram: “Senhor, que nossos olhos se abram!”. Jesus teve compaixão e tocou nos olhos deles. Imediatamente recuperaram a vista e passaram a segui-lo” (Mateus 20, 29-34).

Após a leitura, Salette inicia a oração:
Senhor, tome toda a cegueira que trazemos e que nos impede de tomar a decisão certa. Quantas vezes temos que tomar uma decisão e por não enxergar a verdade dos fatos e das pessoas, por estarmos cegos espiritualmente, tomamos a decisão errada. Senhor, Filho de Davi, retire as escamas dos nossos olhos e tenha compaixão de nós. Senhor, liberte-nos da cegueira trazida pelo secularismo, pelo pecado, por leituras que muitas vezes contrariam Sua Palavra. Senhor, pedimos: toque-nos e que os nossos olhos se abram.

A missionária nos lembra que, às vezes, somos advertidos pelos nossos pais de que devemos abrir os olhos diante do namoro que temos, do nosso relacionamento, das coisas que temos feito e que ainda assim nossos olhos permanecem na cegueira. Por isso, ela nos aconselha a pedirmos ao Senhor, humildemente, perdão pelos nossos pecados e pelas escolhas erradas.


E encerra o programa nos incentivando a clamar a Jesus que cure de nossa cegueira para podermos vê-Lo e ver Sua vontade se realizando em nós. .


“Vem, Senhor Jesus, toque nossos olhos físicos e espirituais, pois precisamos d
o Senhor”.



Salette Ferreira, missionária Canção Nova

Salmo (Salmos 149)

Quinta-Feira, 22 de Setembro de 2011
25ª Semana Comum


— O Senhor ama seu povo de verdade. — O Senhor ama seu povo de verdade.

— Cantai ao Senhor Deus um canto novo, e o seu louvor na assembleia dos fiéis! Alegre-se Israel em quem o fez, e Sião se rejubile no seu Rei!

— Com danças glorifiquem o seu nome, toquem harpa e tambor em sua honra! Porque, de fato, o Senhor ama seu povo e coroa com vitória os seus humildes.
— Exultem os fiéis por sua glória, e cantando se levantem de seus leitos; com louvores do Senhor em sua boca; eis a glória para todos os seus santos.

Evangelho (Lucas 9,7-9)

Quinta-Feira, 22 de Setembro de 2011
25ª Semana Comum


— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo,
7o tetrarca Herodes ouviu falar de tudo o que estava acontecendo, e ficou perplexo, porque alguns diziam que João Batista tinha ressuscitado dos mortos. 8Outros diziam que Elias tinha aparecido; outros ainda, que um dos antigos profetas tinha ressuscitado. 9Então Hero­des disse: “Eu mandei degolar João. Quem é esse homem, sobre quem ouço falar essas coisas?” E procurava ver Jesus.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Faça itinerário de cura interior com a Palavra de Deus Lc 24,13-45

Quatro passos bem concretos nós podemos perceber de imediato para avançar neste caminho de cura da nossa verdade e da nossa historia: Não podemos ficar parados, inertes, acomodados por motivo ou paralisia nenhuma, é preciso caminhar e se por a caminho; A Palavra de Deus é para nós fonte de cura porque nos revela a nossa verdade, abre os nossos olhos e acima de tudo nos revela Jesus e a sua Vontade a nosso respeito; A partilha e a transparência vão  colocar na luz tudo que esta em nosso interior, para que aqueles que caminham comigo saibam como me ajudar e me conduzir à cura e a libertação; A Eucaristia celebrada e adorada onde eu reconheço o Senhor e proclamo a minha vitória sobre a morte e o senhorio de Jesus sobre a minha vida.
Os discípulos de Emaús expressavam a tristeza de ter perdido a esperança. Jesus era a sua maior esperança de ser o grande libertador de Israel. E eles estavam decepcionados com todo o final da história, estavam presos à cruz e a morte. Esqueceram de todas as promessas do mestre. Andavam de cabeça baixa, sem auto-estima, experimentando o fracasso e tudo isto os levou a cegueira espiritual, a tibieza. Quantas vezes nos encontramos exatamente assim como os discípulos de Emaús, tristes, de cabeça baixa e decepcionados. A decepção tem a capacidade de arrancar a esperança e de instalar no nosso coração o espírito de morte e de fracasso. Vivemos em torno do problema, circulando, patinando em nossa dor, ai também se instala o espírito de auto-piedade: “não tem mais jeito, tudo acabou e não conseguimos ver nenhuma saída!”.
“Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles”. Deus caminha conosco e quer saber o que estamos passando, vivendo, sentindo, ou seja, Ele se interessa pela nossa causa, na verdade Ele é o maior interessado em nossa cura e muitas vezes não enxergamos Jesus que caminha ao nosso lado. Jesus caminha com você agora! Ele não foge da dor e quer que falemos do assunto, Ele não mascara, faz com que a gente enfrente os nossos medos, decepções e fracassos, Ele prepara o terreno para darmos novos passos, enxergar novos horizontes. Jesus cura os nossos corações caminhando conosco, conversando, deixando claro que os primeiros passos para cura interior é a abertura e a oração. Ele usa a Palavra como pedagogia, relembra, refaz a historia com eles, traz a memória, por isso, a Palavra de Deus é outra grande fonte de cura interior: “Fortificai as mãos desfalecidas, robustecei os joelhos vacilantes”. (Isaías 35,3).
Ele utiliza o Amor, a essência de Deus, a presença que cativa, eles já estavam ardendo o coração quando Jesus lhes falava aos pés do ouvido o que mais o coração deles queria ouvir: “Ele está vivo e está no meio de nós!” Jesus está vivo e está junto contigo nesta caminhada por mais longa que ela seja! Você consegue perceber isso hoje em sua caminhada, em sua vocação, em sua história? O mestre devolve para eles a esperança, que ficou na dor, na perda, na oração de lamuria pelo caminho, na murmuração. E quando Jesus finge que vai embora, brota do coração deles uma simples e profunda oração: “Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando!” Quantas vezes parece que o Senhor se ausenta no caminho, não fala, não sinto nada, não percebo coisa alguma, caminho na fé. Você pode dizer para Jesus agora no meio da situação que esta vivendo: Senhor Fica comigo, Jesus  comigo!
Jesus Entra com eles e realiza um gesto muito conhecido, pega o pão, abençoa e distribui entre eles. Seus olhos se abrem e eles reconhecem o Senhor ao partir o pão. Nesta passagem acabamos de conhecer por excelência a presença de Jesus no meio de nós e a maior fonte de cura interior: A Celebração Eucarística. Este evangelho é uma síntese da celebração Eucarística, a Santa Missa. Observe que neste relato, um dos mais bonitos da Sagrada Escritura, estão às partes da Santa Missa, acolhida, ato penitencial, liturgia da Palavra, homilia, oração eucarística e envio missionário. Esta celebração do ressuscitado inflama os corações dos discípulos e lhes curam toda cegueira e decepção. Faz deles anunciadores corajosos e dispostos a anunciar sem importar que tivessem que fazer o mesmo caminho, mas agora à luz da vitória, curados de tudo que os podia prender em si mesmos.
Façamos este caminho de cura interior, conversemos com Jesus e acredite o Senhor caminha com você! Abramos o nosso coração à esperança, a vitória. Talvez você seja a pessoa que menos acredita em si mesmo, seu formador, seus irmãos e amigos acreditam e veem um horizonte bonito esperando por você. Não paremos na dor e nem na derrota. Avancemos na Palavra de Deus, na Oração, na partilha e transparência e na Eucaristia. Não podemos ficar paramos na dor e nem nas situações de fracasso que tivemos “ontem” e hoje: “Não deveis ficar lembrando as coisas de outrora, nem é preciso ter saudades das coisas do passado. Eis que estou fazendo coisas novas, estão surgindo agora e vós não percebeis? Sim, no deserto eu abro um caminho, rasgo rios na terra seca.” Isaías 43, 18 – 19. Que Deus faça coisas novas na sua vida, em sua vocação, pois é primavera e o deserto vai florir!

terça-feira

Ministério de Música e Artes da RCC promove Festival Nacional

Quarta-feira, dia 21 de setembro de 2011


 
Festival busca promover a arte e a cultura musical cristã“Cantai ao Senhor um cântico novo”, já diz o salmista. O hábito de entoar orações em forma de melodia vem dos mais antigos tempos bíblicos: já na fuga do Egito, os hebreus cantaram salmos a Deus por sua libertação. E na frase atribuída a Santo Agostinho, uma sentença que ouvimos até hoje: “Quem canta, reza duas vezes”.

Aprovado em janeiro pelo Conselho Nacional da RCCBRASIL, o 1º Festival de Música Cristã da Renovação Carismática Católica do Brasil busca, desde os Grupos de Oração, novos cânticos para serem cantados ao Senhor.




O objetivo do concurso é promover a arte e a cultura musical cristã, revelando talentos e valorizando os artistas, os compositores e intérpretes de Grupos de Oração do nosso Movimento.

O festival está sendo realizado através de três etapas: diocesana, estadual e nacional.
A etapa nacional acontecerá durante o XXX Congresso Nacional da RCCBRASIL, de 10 a 15 de julho de 2012, em Foz do Iguaçu/PR. Participarão da fase nacional os vencedores das etapas estaduais. As canções farão parte de um CD. As músicas que participarão do concurso nacional deverão ser escolhidas até o final deste ano.

Salmo (Salmos 18)

Quarta-Feira, 21 de Setembro de 2011
São Mateus


 
— Seu som ressoa e se espalha em toda a terra! — Seu som ressoa e se espalha em toda a terra!

— Os céus proclamam a glória do Senhor, e o firmamento, a obra de suas mãos; o dia ao dia transmite esta mensagem, a noite à noite publica esta notícia!

— Não são discursos nem frases ou palavras, nem são vozes que possam ser ouvidas; seu som ressoa e se espalha em toda a terra, chega aos confins do u
niverso a sua voz!

Evangelho (Mateus 9,9-13)

Quarta-Feira, 21 de Setembro de 2011
São Mateus



— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo,
9Jesus viu um homem chamado Mateus, sentado na coletoria de impostos, e disse-lhe: “Segue-me!” Ele se levantou e seguiu Jesus.
10
Enquanto Jesus estava à mesa, em casa de Mateus, vieram muitos cobradores de impostos e pecadores e sentaram-se à mesa com Jesus e seus discípulos. 11Alguns fariseus viram isso e perguntaram aos discípulos: “Por que vosso mestre come com os cobradores de impostos e pecadores?”
12
Jesus ouviu a pergunta e respondeu: “Aqueles que têm saúde não precisam de médico, mas sim os doentes. 13Aprendei, pois, o que significa: ‘Quero misericórdia e não sacrifício’. De fato, eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Seja você também um 'jovem sarado'

 Quarta-feira, 21 de setembro de 2011
 

Você sabe o que é ser um "jovem sarado"? A primeira resposta que deve vir a sua cabeça é: um jovem que frequenta academia, cujo físico é trabalhado por ginástica e outros exercícios físicos. Sim, você não deixa de ter razão, mas os jovens a que nos referimos aqui são jovens sarados na alma e no espírito. Uma juventude que busca não um corpo perfeito, mas sim seu encontro com Cristo, para serem curados.
Padre Edimilson, idealizador do 'Jovens Sarados'


Padre Edimilson
, sacerdote da Comunidade Canção Nova e idealizador desse projeto de evangelização entre os jovens, alerta sobre os desafios que um jovem cristão enfrenta hoje para viver uma vida de santidade.

“Eu vejo o quão difícil é para os meus filhos e filhas espirituais viverem essa proposta de santidade. Tudo hoje em dia propõe o contrário: se você assiste à televisão, ela lhe propõe o contrário disso [santidade]. Se você acessa a internet, ela lhe propõe o contrário. Se você sai à noite, o mundo também lhe propõe o contrário. Enfim, a sociedade, os meios, o mundo em si, só propõem o contrário disso. Dessa forma, a nossa luta é cotidiana. E esta tem sido nossa luta: fazer com que esses jovens não sejam 'estranhos' para a sociedade, mas, ao mesmo tempo, que vivam este estilo de vida, que é constantemente desafiador. Eu sinto compaixão por esses jovens. E só uso para eles a palavra 'misericórdia', pois eu sei que eles querem viver a santidade, mas eu sei que não é tão fácil hoje em dia viver o que eles querem viver”, afirma o sacerdote.

Jovens Sarados


Em 2008, surgiu o grupo "Jovens Sarados", por inspiração de padre Edimilson, consagrado da Canção Nova. Com um forte desejo de levar o Evangelho aos jovens da cidade de São Paulo de forma diferente, o sacerdote convidou um pequeno grupo para partilhar, rezar, orar e adorar ao Senhor. Com o tempo, ele propôs um desafio aos jovens do grupo de oração: "Traga mais um".

Cada membro do grupo, então, comprometeu-se a trazer, todos os meses, mais um jovem para participar dos encontros. Nesse tempo, sentiu-se a necessidade de um nome para o grupo, e o padre o batizou de "Jovens Sarados", título de um dos últimos livros escritos pelo saudoso padre Léo. Dessa forma, com o passar do tempo, jovens de todas as regiões da capital paulista passaram a se reunir aos domingos à noite.

Já em 2009, o número de pessoas que procuravam pelo grupo cresceu tanto que foi preciso encontrar um espaço mais amplo para os encontros. Jovens de várias localidades do país se identificaram com essa proposta de viver a busca pela santidade e também se renderam ao chamado de evangelizar outras almas, propagar Cristo Vivo e espalhar o carisma "Jovens Sarados".

Cruz da JMJ ( jornada mundial de jovens ) vai à Cracolândia

É noite, no Centro de São Paulo – para ser mais exato, na Catedral da Sé, onde o ícone de Nossa Senhora e a cruz peregrina, símbolos da Jornada Mundial da Juventude, ficaram durante todo o dia expostos para veneração dos fiéis.
Às 19 horas deu-se início a Via-Sacra, seguindo o seu itinerário. O cenário sugerido não é de muita beleza. Moradores de rua já começam a fazer parte da paisagem por onde passa a cruz, mas é ali o lugar escolhido para essa passagem; sem dúvida, foi a Divina Providência que nos guiou.
No Largo São Bento, padre Júlio Lancelotti convida os presentes a dizerem a seguinte frase: “ O irmão de rua é meu irmão”. E continua:  “A cruz é sinal de vida, ali Deus nos ama”. Em seguida, questiona-nos:  “ Sabe por que o diabo tem raiva da cruz? Porque ele não é capaz de amar”.

Durante a oração do terço, um morador de rua nos interpelou: “Faz uma foto minha, moro na rua, mas sou gente…”
Como não ser questionada por tal informação?
Continuamos então nossa caminhada, deparando com aquela dura – e porque não dizer ‘cruel’ – realidade. Eram hotéis baratos usados para prostituição, mas sua clientela não era indiferente à passagem da cruz e do ícone da presença pura da Virgem Maria. Os olhares eram fixos para aqueles jovens que, com alegria, carregavam a cruz nos ombros.
De repente, fomos caminhando rumo a uma favela, a “Favela do Moinho”. Fomos interrompidos pela passagem de um trem que corta o lugar, os barracos ficam à margem dos trilhos, já eram 22h30. Aquela cena nos fez experimentar o desconforto de toda aquela situação que os moradores daquele local vivem de forma cotidiana.
Porém, num campo aberto da Favela do Moinho, uma prece foi feita com fervor por Dom Tarcísio Scaramussa, Bispo Auxiliar de SP, responsável pela região Centro, que como Pastor da Igreja de Cristo esteve presente em todo o percurso.
Uma moradora do lugar nos falou em lágrimas: “Como pode Jesus vir aqui?” O local não tem saneamento básico e em boa parte da favela não há energia elétrica, o lixo nas ruas  sinaliza o abandono.
Saindo dali fomos em direção a um cenário de horror, a Cracolândia, na Estação da Luz. O encontro de nossa procissão com um comércio de crack a céu aberto foi impactante.
Ao chegarmos vimos roupas, frutas e peças de carro sendo expostas em mesas ou no chão para serem trocadas por pedras de crack. Expostas também estavam as pessoas presentes naquele lugar, umas deitadas no chão, delirantes, outras paradas olhando fixamente para algum lugar, com as pupilas dos olhos dilatadas.
Não avançamos por alguns minutos, era respeitoso da nossa parte entrar somente se fôssemos convidados. Porém, eis que surgem gritos: “Eles são da Igreja! Podem entrar!” Nesse instante a cruz foi erguida para que a dor e o sofrimento de Cristo se unissem à dor e ao abandono daqueles filhos e filhas de Deus.



Algumas pessoas, mesmo na ‘nóia’, vinham ao encontro dos sacerdotes pedindo-lhes a bênção e abraçando-os. Ali rezamos mais um mistério do santo terço e, aos poucos, levantava-se um grande clamor. Eis que a luz entra onde as trevas são evidentes. Uma experiência única, imagens que não saem da nossa cabeça, primeiramente pelo horror que nos causam. Como pode alguém viver assim? Mas também por vermos a beleza da cruz, que, em meio a tanto sofrimento, se deixa encontrar pelos mais pobres e excluídos. Uma lição de vida!
A Via-Sacra segue com os jovens expressando sua fé e alegria por poder levar esperança a tantos que não a têm.
O trajeto é encerrado às 23h10 com o ápice da fé: a Santa Missa na Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte. Ali a cruz fica até terça-feira, quando mais uma vez – como peregrina que é – continua seu caminho.

Como praticar a devoção dos Cinco Primeiros Sábados dedicados à Virgem Maria?

"Deus quer estabelecer no mundo a devoção a meu Imaculado Coração"    Na terceira aparição, em Fátima, a 13/7/191...